Vantagens e desvantagens de uma casa em condomínio

Vantagens e desvantagens de uma casa em condomínio

Para a maioria dos brasileiros, a conquista da casa própria é um dos maiores sonhos em suas vidas. Isso porque, além de sair do aluguel, as pessoas buscam mais conforto e segurança em um ambiente que seja personalizado à sua forma.

Com a construção de uma casa, você pode definir o projeto em que quer investir e ter toda a liberdade de personalizá-lo da sua forma - sempre com o apoio de um especialista, claro, como um engenheiro, arquiteto e um mestre de obras.

Claro que você não precisa depender da compra de um terreno para, então, construir a sua casa. Você pode investir em um lar já decorado, que atenda às suas necessidades. E, como possibilidade, também pode investir em uma casa que faça parte de um condomínio fechado.

Uma das principais características de uma casa desse tipo é estar dentro de uma área fechada, geralmente assistida por um sistema de segurança que tem seus custos compartilhados entre todos os integrantes.

Em um mesmo condomínio, as casas geralmente possuem configurações semelhantes: têm tamanhos parecidos, que também ocupam tamanho semelhante de terreno. Além disso, as casas em condomínio ficam situadas em ruas fechadas e, dependendo do local, podem ter áreas específicas de lazer, diminuindo o risco para crianças ou até para os moradores que trafegam nos entornos.

Enquanto algumas casas em condomínio se parecem bastante com os apartamentos, principalmente em termos de infraestrutura, outras costumam ter apenas uma localidade fechada, com mesmo tamanho de terreno, porém, com casas diferentes entre si.

Se você tem interesse em investir em uma casa situada dentro de um condomínio, veja bem as diferenças, pesquise sobre a localidade e faça um bom planejamento financeiro, em busca de seu novo lar.

Para ajudar nessa decisão, vamos mostrar a seguir as vantagens e desvantagens de morar em uma casa que pertence a um condomínio. Confira a seguir.

Vantagens de casa em condomínio

Muitas pessoas procuram casas em condomínios em busca de mais lazer e segurança - principalmente para quem possui filhos. São vantagens importantes mas, ainda há mais fatores que podem ser considerados vantajosos. Veja a seguir.

Mais segurança

Morar em uma casa dentro de um condomínio pode trazer a sensação de segurança que muitas pessoas sentem falta quando consideram um sobrado ou uma casa térrea para moradia.

Como já introduzimos, geralmente as casas de condomínio estão cobertas por um sistema de segurança, incluindo profissionais que realizam a cobertura do local 24 horas por dia, além de sistemas avançados de vigilância, com câmeras e monitoramento contínuo feito por uma empresa especializada.

Por conta disso, as pessoas se sentem mais à vontade para deixar uma janela aberta ou até mesmo as portas de casa, a fim de receber mais iluminação. Isso dá mais segurança para realizar algum tipo de evento, contando com a presença de familiares e amigos, ou até mesmo viajar por longos períodos, deixando a chave de casa com os administradores ou seguranças do seu condomínio.

Área de lazer

Algumas casas em condomínio possuem áreas de lazer em específico, o que pode ser uma ótima forma de socializar com os vizinhos ou até mesmo deixar os filhos mais tranquilos, para que possam brincar com segurança.

Claro que devem ser consideradas diferentes áreas de lazer. Isso pode se traduzir em área para piscina, por exemplo, ou até mesmo alguns parquinhos e quadras de futebol - que facilitam bastante na integração com os demais moradores.

Muitos condomínios também possuem áreas como churrasqueiras, para realizar eventos, ou salões de jogos, para que os moradores possam se divertir.

Dê uma olhada no projeto como um todo, para entender o que a área de lazer contempla dentro de seu condomínio.

Mais controle sobre custos de moradia

Um dos grandes benefícios de imóveis em condomínio é permitir manter o controle de todos os gastos de forma centralizada. Leve em consideração os custos de se morar em um local seguro, com área de lazer e imóveis bem definidos: o custo de jardinagem, manutenção da área de lazer, limpeza e, claro, os custos individuais de cada casa, como água, luz, gás etc.

Em um condomínio, todos esses gastos costumam ser centralizados com as mensalidades. Isso ajuda bastante no planejamento financeiro, porque já é previamente definido, sem causar nenhum tipo de surpresa negativa para os moradores.

Com o controle de custos, você sabe de antemão o valor necessário para a sua moradia. Isso facilita suas próximas conquistas, seja pelo controle de uma planilha financeira ou com a ajuda de um aplicativo, por exemplo.

Barulhos mais controlados

Para que a experiência seja a mais positiva para os moradores, os condomínios possuem regras predeterminadas por assembleia, sempre com a mediação de um síndico. E um dos aspectos que sempre colocam em discussão é o fator do barulho.

Dentro de um condomínio, existem limites para as pessoas frequentarem áreas de lazer ou áreas sociais - a grande maioria tem como referência até meia-noite, aos fins de semana, ou até 22h, caso seja ao longo da semana.

Dessa forma, mantém-se a ordem e o respeito pelos demais vizinhos, minimizando barulhos indesejáveis por conta de pessoas que queiram curtir além dos horários previstos. Vale lembrar que, em um condomínio, quem não segue as regras precisa pagar o valor da multa.

O controle de barulho não se aplica apenas às festas. Em um condomínio, é preciso determinar os horários em que se pode conduzir qualquer tipo de reforma, por exemplo. Para quem busca mais tranquilidade, essas regras podem servir de grande ajuda, facilitando para quem trabalha no formato home office ou deseja passar os momentos em casa da forma mais pacífica possível.

Mais fácil de estar em contato com os vizinhos

Quem já se mudou para uma casa diferente passou pela dificuldade de socializar com os vizinhos mais próximos por conta de algum motivo. Em um condomínio, porém, as pessoas precisam tomar decisões em assembleia e podem muito bem interagir pelas áreas de lazer ou social.

Assim, fica mais fácil conhecer e estabelecer novas amizades com os moradores do seu condomínio. A vantagem é a construção de elos de confiança, que podem ser importantes em diferentes momentos, como chegar a um determinado acordo sobre frequentar áreas de lazer ou até mesmo contar com algum tipo de apoio para ‘vigiar’ a casa, caso tenha que viajar por um longo período de tempo.

Maior qualidade de vida

As pessoas que procuram uma casa em condomínio costumam relatar melhor qualidade de vida. Isso porque elas contam com mais segurança, com maior rede de apoio de vizinhos e uma infraestrutura que favorece o bem-estar, com locais mais arborizados, áreas de lazer, regras que impedem qualquer tipo de baderna, entre outras facilidades.

Além disso, os condomínios possuem serviços compartilhados que costumam ser de boa qualidade, garantindo acesso à internet e boa estrutura interna para realizar os afazeres do dia a dia.

Dessa forma, as casas em condomínio são ótimas opções para quem busca mais tranquilidade em um local e quer criar um senso de comunidade com os seus vizinhos.

Agora que exploramos as vantagens, vamos falar dos pontos negativos de uma casa em condomínio.

Desvantagens de uma casa em condomínio

Lidar com custos fixos e ter que ficar suscetível às multas por conta de barulho, por exemplo, são algumas das principais desvantagens de morar em uma casa em condomínio. É preciso tomar alguns cuidados antes de considerar esse tipo de compra, porque uma série de regras precisam ser respeitadas em prol de um convívio mais saudável com os moradores.

Confira a seguir as principais desvantagens de morar em uma casa em condomínio.

Taxa mensal fixa

O primeiro detalhe que muitas pessoas enxergam como desvantagem é ter que pagar uma taxa para morar na própria casa. Sim, o valor do condomínio precisa ser pago todos os meses, como se fosse um aluguel ‘eterno’.

O valor de condomínio deve ser pago para lidar com uma série de gastos internos, como jardinagem, sistema de segurança, preservação das áreas, entre outros. Esse custo precisa ser levado em consideração em seu planejamento financeiro. E, com o passar dos anos, pode passar por reajuste: seja por conta da inflação, que também atinge os setores de serviços, ou por conta de algum tipo de incremento que tenha sido autorizado pela assembleia.

Menos privacidade

Estar rodeado de vizinhos pode ter o benefício de criar o senso de comunidade. Porém, isso pode resultar em menos privacidade para os moradores.

Com mais espaços em comum, as pessoas acabam se encontrando o tempo inteiro e podem até mesmo passar por alguns atritos - principalmente em casos de desentendimento, por exemplo.

Dependendo do local, qualquer tipo de barulho ou evento pode ser percebido pelos moradores, o que pode gerar algum tipo de mal-estar entre os condôminos.

Para que isso seja evitado, é necessário que o condomínio coloque em prática ações que protejam a privacidade dos moradores, em prol de um convívio mais saudável.

Convívio é mais rigoroso

Morar em condomínio é estar sujeito às regras que são previamente estipuladas. Você pode não concordar com algumas dessas regras, mas muito provavelmente terá que segui-las da mesma forma. Afinal, muitas delas passam por assembleia e podem ter sido criadas antes mesmo da sua mudança para o local.

Quem está acostumado a morar em casas situadas em bairro pode passar por algum tipo de dificuldade ao se adaptar em um convívio coletivo. Isso porque, quando as regras deixam de ser seguidas, as multas são aplicadas, comprometendo o seu orçamento pessoal.

Para evitar o impacto negativo, verifique com antecedência quais são as regras do seu condomínio antes de considerar a compra de uma casa no local. Será que é aceitável os limites de barulho se você pretende chamar amigos e familiares na maioria dos fins de semana para a sua casa? E as áreas de lazer: possuem horários que atendem às suas necessidades? Se você é fumante, pode andar tranquilamente por todas as áreas do seu condomínio?

Quando se olha com antecedência as regras já impostas, fica mais fácil se adaptar. Ainda assim, você pode acabar ‘escorregando’ em uma ou outra regra e, invariavelmente, ser punido com uma multa.

Possíveis restrições a animais

Algumas casas em condomínio fechado podem conter algum tipo de restrição a animais domésticos. Quem possui cachorros de grande porte ou algum tipo de animal que possa fazer barulho, principalmente à noite, precisa ficar atento às regras do condomínio.

Por mais que as casas tenham mais espaço do que apartamentos, alguns locais podem ser mais exigentes em relação à criação de animais nas dependências do condomínio.

Isso pode ser frustrante para muitos moradores. Afinal, não dá para controlar os barulhos que os bichinhos fazem. Por mais que possa ‘incomodar’ as pessoas, restrições desse tipo podem ser determinantes para que as pessoas procurem por outros locais para morar.

Portanto, se você possui um bicho de estimação, ou planeja ter um, veja com antecedência as regras do condomínio, para não se sentir frustrado ou, pior, ter que interferir no convívio do seu amado pet.

Valor de moradia é mais caro

Por conta de todos os serviços agregados, com destaque para a segurança, morar em uma casa em condomínio é mais caro do que comprar um imóvel em um bairro regular.

Dependendo do local e do tipo de imóvel, pode ser mais caro do que um apartamento bem localizado, já que conta com mais espaço interno e uma área que favorece o bom convívio social.

Sem falar que o condomínio é um valor que deve ser pago mensalmente, por mais que decida viajar ou sair da moradia por um tempo.

Portanto, faça um bom planejamento com antecedência, para ver se os custos estão dentro de suas expectativas e se as desvantagens compensam as vantagens de morar em uma casa de condomínio.

Consórcio: a melhor forma de investir na sua casa em condomínio

Quando se fala em investir em um novo imóvel, muitas pessoas já ficam desanimadas porque precisam estabelecer um plano a longo prazo. O pior de tudo é que, mesmo quando conseguem dar o pontapé inicial, se frustram com os altos juros do financiamento.

Porém, existe uma alternativa para comprar o bem que tanto deseja de forma parcelada e sem comprometer os seus rendimentos mensais. Por meio do consórcio, você decide o valor do imóvel que deseja comprar e até mesmo o valor das mensalidades. Você não sai com o bem na hora, mas pode planejar do começo ao fim a sua compra, sem ter que pagar valor de entrada ou juros nas mensalidades.

Trata-se de um autofinanciamento dividido por grupos. Os grupos são organizados por interesse de compra: por exemplo, se decidir investir em um consórcio de imóveis, estará em um grupo com pessoas que também querem comprar casa ou apartamento. O valor das mensalidades é destinado ao fundo comum dos grupos, que determina as contemplações mensalmente por meio das assembleias.

De início, você não precisa decidir o bem que vai comprar. Somente ao ser contemplado com a carta de crédito você efetiva a compra do seu imóvel - pode ser uma casa em um condomínio, um apartamento, casa em um determinado bairro ou até mesmo um terreno para construir da forma que deseja.

A seguir, vamos explicar todos os detalhes para fazer o consórcio de imóveis e realizar o sonho de ter uma nova casa.

Como fazer consórcio de imóveis?

Antes de tudo, é preciso selecionar uma administradora de consórcio que tenha autorização do Banco Central do Brasil (Bacen) para seu pleno funcionamento. Somente administradoras autorizadas podem garantir que os processos do consórcio sejam seguidos do começo ao fim. A Embracon, por exemplo, possui mais de 30 anos de história, realizando sonhos de milhares de pessoas por meio do consórcio.

Depois da escolha, basta entrar no site da administradora e fazer a simulação de consórcio.

Para isso, é preciso selecionar o valor de carta de crédito, que corresponde ao total do imóvel que deseja comprar, e a quantidade de parcelas que deseja dividir a compra.

Como retorno, você já sabe quanto terá que pagar pela sua mensalidade, com acréscimo das taxas de consórcio: taxa de administração, que remunera a administradora por todos os serviços do consórcio, como inclusão nos grupos, entrega das cartas de crédito etc; e fundo de reserva, que serve como uma espécie de garantia para cobrir inadimplência dos integrantes do grupo.

É possível realizar a simulação quantas vezes quiser. O importante é definir o valor que faz mais sentido para você iniciar o seu consórcio.

Após a simulação, basta fornecer seus dados pessoais, para que um consultor de consórcio entre em contato, tire todas as dúvidas sobre a modalidade e entregue o contrato de adesão.

Me tornei um consorciado. E agora?

Ao assinar o contrato, você se torna um consorciado e recebe acesso à Área de Clientes, onde pode visualizar o número da sua cota e as datas das assembleias do seu grupo, que acontecem uma vez por mês.

É preciso estar com o pagamento em dia da sua cota para participar das assembleias. São elas que definem os contemplados do grupo.

Vale lembrar que nenhuma administradora pode garantir quando os consorciados serão contemplados. Isso pode acontecer tanto no início, quanto nos últimos meses de pagamento da sua cota - seja por sorteios ou por lance.

Como usar a carta de crédito para comprar a sua casa

Antes de entregar as cartas de crédito, as administradoras fazem uma análise do consorciado, para certificar-se de que manterão comprometidos com o pagamento da cota mesmo desfrutando do bem.

Fique atento às documentações exigidas, para que possa ter acesso à sua carta.

Com ela em mãos, você finalmente pode realizar o sonho de comprar a sua casa. Pesquise com antecedência as melhores oportunidades. Não precisa ter pressa nesse momento. Verifique se o local atende às suas expectativas e tente negociar um bom valor de compra. Vale destacar que a carta de crédito possui poder de compra à vista, o que dá uma boa margem de negociação. Quem sabe você não consegue pelo menos de 5% a 10% de desconto?

O consórcio pode ser um grande facilitador na conquista do sonho de ter uma casa em condomínio. Faça uma simulação de consórcio de imóveis e invista desde já no seu novo lar!

chat Eva