Como criar uma planilha de planejamento financeiro

Como criar uma planilha de planejamento financeiro

A primeira coisa que é preciso saber antes mesmo de fazer um planejamento financeiro: todos precisamos de controle. Precisamos saber de onde vem o dinheiro, quanto vem, com o que gastamos e onde gastamos. Esse é o primeiro passo para saber como usar melhor o seu dinheiro e, assim, conseguir realizar seus sonhos ou até mesmo separar uma boa quantia para investimentos.

Por muitos anos, os brasileiros recorreram ao caderninho de anotações, para anotar os gastos e identificar a melhor forma de separar o salário para pagar as contas de casa e ver o que pode ser guardado no fim do mês. Com a possibilidade de extrato bancário, mais e mais pessoas puderam se organizar melhor, controlando cada gasto sem ter que ficar guardando todos os comprovantes de débito e crédito.

Por mais que sejam formas alternativas de controle de gastos, especialistas e pessoas que costumam controlar seu dinheiro aproveitam as vantagens de se ter uma planilha.

Com uma planilha, fica mais fácil visualizar todos os gastos que você tem e até se planejar para os meses seguintes.

Existem diversas formas de montar a sua própria planilha - inclusive, modelos prontos na internet que facilitam bastante o trabalho de quem não quer perder muito tempo configurando sua visualização.

Mas, antes mesmo de saber como organizar a planilha, o importante é saber o motivo de sua utilização, como organizá-las, além de dicas para usá-la da melhor forma a seu favor. Acompanhe nosso post para ficar craque na sua planilha de gastos.

Por que ter uma planilha de gastos

Uma das principais funções de uma planilha de planejamento financeiro é organizar as suas despesas de forma que fica fácil visualizar tudo que entra e sai, ou seja, o valor que você e sua família têm à disposição mensalmente e os gastos correntes.

Cada um tem uma forma diferente de visualizar os gastos. O importante é saber que não existe um modelo ou formatação correta para a sua planilha. Contanto que ela te ajude a controlar os seus gastos e a organizar seus investimentos, já estará cumprindo sua função.

Você pode começar com um modelo bem simples, apenas listando a origem da despesa, o valor gasto para cada um deles e a somatória dos valores como “total”. É possível seguir o modelo abaixo, por exemplo:

Exemplo de como montar uma planilha de gastos bem simples e funcional, separando por meses e despesas

Perceba que, no exemplo, temos a listagem dos gastos mais básicos do dia a dia, como luz, água, aluguel, academia, entre outros gastos. Essa é uma boa forma de começar a montar a sua planilha.

Se você ainda não está habituado a utilizar um modelo assim, pode começar aos poucos, listando, primeiramente, os gastos básicos.

Conforme você começa a mexer mais na planilha, vale a pena trazê-la mais para o seu contexto. Isso significa listar, além dos gastos básicos, aquilo que se gasta no dia a dia, como cartão de crédito, alimentação e até mesmo o cafezinho na esquina do trabalho.

Vale lembrar que as planilhas realizam somas de valores de forma automática, ou seja, não é preciso ficar calculando o tempo inteiro. Para isso, basta utilizar fórmulas simples, que os próprios programas ajudam a executar.

Ainda no exemplo citado, veja que a linha “total” traz as somas de cada coluna. Isso é possível por meio de uma fórmula simples de soma da planilha. Na coluna B, por exemplo, a fórmula aplicada para o total é =SOMA(B2:B7), que pega todos os valores da coluna e, ao final, chega ao resultado da soma - no exemplo, R$1.920.

Essa fórmula é aplicada caso esteja utilizando o software Excel, da Microsoft. Uma alternativa a essa planilha é o Google Planilhas, que pode ser utilizado em nuvem junto ao Google Drive. Embora tenha uma interface muito parecida, existem pequenas diferenças. Utilizando o exemplo acima, para a criação da fórmula, por exemplo, no Google Planilhas teria que utilizar =SUM(B2:B7).

Caso sinta dificuldades de utilizar os recursos das planilhas, você pode recorrer a boa e velha calculadora para identificar a soma total.

Qual é a melhor planilha para se utilizar?

Como já antecipamos, você pode utilizar tanto o Excel quanto o Google Planilhas para montar o seu planejamento de gastos.

Cada programa tem suas especificidades, mas o importante é adotar a que faz mais sentido para você.

Atualmente, é possível utilizar as planilhas em sistemas de nuvem. Com o Google Drive, por exemplo, você pode acessá-la até mesmo pelo celular. A Microsoft também tem um sistema de nuvem que permite o acesso remoto, pelo One Drive. Dessa forma, você pode acessar a sua planilha em qualquer dispositivo, a qualquer hora do dia.

Embora a planilha seja mais fácil de utilizar em um computador ou laptop, ter a possibilidade de consultá-la por meio do seu smartphone pode ajudá-lo bastante na tomada de decisões do dia a dia. Você pode, por exemplo, inserir o gasto quando tiver saído para almoçar ou até mesmo quando se lembrar, no meio do caminho, de um bem que precisa de um planejamento maior para a compra.

Opções de planilhas de gastos

O modelo que mostramos é bem básico, mas permite ter uma mínima organização, que é o primeiro passo essencial para quem quer ter uma melhor saúde financeira.

A seguir, vamos dar exemplos de algumas planilhas que você pode seguir como exemplo, de acordo com a sua necessidade.

Planilhas para gastos pessoais

É um tipo de planilha mais voltada para os gastos individuais. A vantagem de uma planilha desse tipo é que você pode acompanhar de perto exatamente todos os seus gastos.

A partir do momento que você começar a mexer mais na sua planilha, pode criar filtros específicos, que podem ajudá-lo ainda mais no controle do dia a dia. Por exemplo, ao listar os gastos do dia a dia, você pode criar uma coluna com algumas categorias, como:

   • Contas de casa: para luz, água, gás etc;

   • Cartão de crédito: para os gastos correntes do seu cartão, que passamos no dia a dia e muitas vezes esquecemos de anotar;

   • Gastos do dia a dia: também usamos o dinheiro em espécie ou cartão de débito para algumas transações, não é verdade? Não podemos deixá-las para trás;

   • Parcelas: local em que você pode anotar as parcelas do seu carro, as mensalidades do seu consórcio, entre outros gastos parcelados (mas que não sejam com o cartão de crédito);

   • Dívidas: para quem fez algum tipo de empréstimo, por exemplo;

   • Investimentos: tão importante quanto saber o valor que gastamos é apontar o quanto se pode investir mês a mês. Encará-la como uma ‘dívida’ pode ser um bom gatilho, principalmente para quem tem dificuldades de juntar dinheiro. Se você utiliza alguma conta para investimento, pode fazer a transferência mensalmente, para não perder o hábito.

Outra informação importante a constar é a data de pagamento de cada uma dessas dívidas, para que você não corra o risco de esquecê-las. Caso sinta que alguns desses gastos possam sair do controle, você pode criar uma coluna estipulando mínimo e máximo que pode gastar dentro de cada uma dessas categorias.

Como pode-se perceber, essa planilha funciona muito bem para quem é solteiro ou prefere ter uma planilha individual para listar seus gastos. Por isso mesmo, não tenha receio de incluir todos os gastos que se tem no dia a dia. Essa planilha será sua parceira para organizar suas finanças.

Planilha para controle familiar

É o tipo de planilha que deve levar em consideração não apenas gastos individuais, mas planejamentos familiares como um todo. Ou seja, é preciso pensar em planos para os filhos, ter uma visão dos gastos da família e pensar em um planejamento para o futuro.

Uma planilha de gastos familiar dificilmente pegará os gastos de todos os integrantes na unha. Não frustre se isso acontecer. O importante é que as pessoas que tomam as decisões financeiras da casa, como os pais, por exemplo, saibam muito bem o valor que entra e o valor que sai mensalmente, para que possam se planejar para um futuro mais próspero.

Essa planilha pode ser separada por categorias de gastos, como:

   • Renda familiar: listando todas as pessoas que recebem salário na casa e contribuem para as despesas;

   • Habitação: listando aluguel, água, TV por assinatura, supermercado, entre outros gastos correntes para o bem-estar diário;

   • Saúde: listando valores que se gasta com convênios médicos, consultas regulares, dentista etc;

   • Automóvel: também é importante lembrar que o carro representa uma despesa mensal, com a parcela, gasolina, estacionamento, seguro e até mesmo a lavagem do final de semana;

   • Despesas pessoais: como academia, cabeleireiro, vestuário, cosméticos etc;

   • Lazer: para as saídas aos fins de semana, passeios, viagens etc;

   • Investimentos: porque eles também precisam ser listados, afinal, são um compromisso mensal para se atingir um objetivo;

   • Dependentes: para listar gastos com os filhos, como escola, faculdade, mesada, materiais escolares e muito mais.

Alguns modelos de planilhas familiares na internet possuem gráficos que ajudam a entender para onde seu dinheiro está indo mensalmente, além de permitir um planejamento mais assertivo.

Mas, se já conseguir listar todas essas atividades junto à sua família, certamente a planilha de gastos estará cumprindo a sua função.

Planilha com gastos domésticos

Esse é o tipo de planilha que pode ser utilizada tanto por indivíduos solteiros, como famílias.

Em apenas uma página, você consegue visualizar todos os seus gastos correntes. Isso ajuda bastante a ter uma visão clara de onde estão concentrados seus gastos.

Caso não tenha experiência com planilha, baixar um modelo desse tipo pode ser extremamente útil para listar todos os gastos que você possui mensalmente.

Ela pode ser separada da mesma forma que a planilha para controle familiar. A diferença é que esta planilha seria a primeira etapa para quem não sabe como o dinheiro acaba no fim do mês. Por isso, ela traz maior riqueza de detalhes para onde vão os seus gastos: do jornal diário às compras para o seu pet, você consegue ter um controle na ponta do lápis de tudo que entra e sai.

É uma boa forma de traçar objetivos e ver onde é possível cortar gastos que possam ser considerados supérfluos.

tst
Exemplo de planilha com gastos domésticos, listando gastos separados por categorias, para que se possa ter uma visão das despesas mensais e identificar o que pode ser diminuído ou cortado

Planilha para controle financeiro com investimentos

Falamos muito em gastos quando mencionamos as planilhas, mas uma de suas principais funções é nos ajudar a ter um plano de ação para os nossos investimentos.

Nesse sentido, a planilha que contempla investimentos mês a mês como foco pode ser essencial para que você consiga realizar seus objetivos.

Além de incluir todas as despesas fixas, ou seja, aquilo que você gasta em média por mês, a planilha com um tipo de controle de investimentos pode ser uma boa forma de diversificar as suas aplicações.

Você pode listar o dinheiro que investe com:

   • Renda fixa: ou seja, produtos que te dão um retorno garantido e de pouco risco, como CDB, Tesouro Direto, entre outros. Inclusive, você pode separar um de cada vez, se preferir, para ter uma visão mais detalhada;

   • Previdência privada: um ponto importante, uma vez que a previdência é essencial para garantirmos melhor qualidade de vida a longo prazo;

   • Ações: se você conhece o mercado de ações e direciona um percentual da sua renda para investir mensalmente, não deixe de fazer a sua listagem na planilha. Também é possível filtrar o valor que você direciona para esse tipo de investimento.

Alguns tipos de investimento permitem maior previsibilidade de retorno, principalmente quando falamos de renda fixa. Mas, se você possui uma carteira de renda variável, pode criar uma aba à parte listando as suas ações e a rentabilidade que elas têm trazido ao longo do tempo, para que tenha uma boa visão de seus lucros.

Sempre bom lembrar que, para evoluir como investidor, é preciso diversificar suas aplicações, em busca de maior rentabilidade.

Dicas para a planilha perfeita

Controlar os gastos pode ser uma tarefa difícil. Porém, a planilha de gastos realiza com sucesso o trabalho de simplificar a sua visão, permitindo tomada de decisões mais inteligentes com os seus gastos.

Antes de mais nada, o importante é começar. E, se você não sabe como fazer isso, pode conferir algumas dicas que podem ajudá-lo nessa tarefa.

Comece com um caderno ou um bloco de notas

Existem tantos modelos de planilha na internet, que podemos ficar perdidos. E, em vez de conseguir listar os nossos gastos, corremos o risco de ficar à procura da planilha perfeita e jamais encontrá-la.

Isso porque, antes mesmo de formatar a sua planilha, você precisa entender o que realmente deseja inserir nela. Se for muito complicado acompanhar os gastos correntes, comece pequeno: liste as suas despesas fixas, que você sabe que devem ser pagas todos os meses. E, se sentir necessidade, pode ir inserindo dívidas de cartão de crédito, assinaturas, entre outros valores que compõem seus gastos mensais.

Não precisa ser pretensioso

Você pode começar a utilizar uma planilha, de início, apenas para os seus gastos. Porém, ela não precisa ser a única forma de planejar os seus gastos financeiros e investimentos.

Muitas pessoas recorrem à planilha apenas para a listagem dos gastos, e tudo bem. Afinal, existem outras formas de ajudar a ter melhor controle das finanças. Existem alguns aplicativos que podem ajudar bastante nessa etapa, como Organizze, GuiaBolso, Money Lover, entre outros.

Faça a checagem no fim do mês

Montou a sua planilha, mas sente que ela não reflete a sua realidade? Talvez isso esteja acontecendo porque você esqueceu de fazer a checagem do valor que sobra com o que tinha planejado na planilha.

Veja se os gastos estão batendo e se a sua listagem de itens realmente reflete a realidade. Nos primeiros meses, você pode achar que está gastando mais do que havia planejado. Por isso, fique atento a detalhes, como: anuidade de cartão de crédito, gastos com a conta corrente, juros de alguma transação, entre outros. Eles compõem aqueles tipos de gastos invisíveis que afetam nossos rendimentos mensais. Se necessário, liste na planilha esses valores gastos mensalmente.

Não esqueça os detalhes de cada gasto

Quem costuma utilizar cartão de crédito ou agrupa as contas de casa como se fossem uma só corre o risco de perder de vista os detalhes dos gastos.

Identificar no detalhe cada um desses gastos pode ajudar na tomada de decisão de como direcionar o dinheiro da melhor forma. Ou seja, se tiver se arrependido de uma compra, por exemplo, não deixe de listá-la na sua planilha mensal. Por mais que tenha sido uma experiência ruim, saber que precisa pagá-la é a melhor forma de evitar esses escorregões ao longo do tempo.

E não esqueça também dos investimentos

Como já dissemos: as planilhas não são apenas para gastos!

Não deixe de listar os seus tipos de investimento em sua planilha. Você pode fazer isso aos poucos. Mesmo que esteja guardando, por exemplo, R$ 50 por mês, com esse tipo de acompanhamento você verá a importância de se esforçar para juntar um pouquinho a mais.

Com o tempo, conforme você diversifique suas aplicações, poderá fazer com que a própria planilha lhe dê mais previsibilidade do quanto você terá em determinado período. Por isso, veja o percentual de rentabilidade de cada investimento e se organize para o momento de aplicação ou para a compra de um bem de alto valor, por exemplo. Se você paga a mensalidade de consórcio, pode usar essa lógica para fazer a oferta do seu lance no momento certo, se desejar.

Encontre o melhor modelo para você

Cada pessoa tem suas necessidades. E, dependendo do tipo de planejamento que estamos organizando, a planilha pode não dar conta.

Por isso, esteja aberto para adaptá-la, incrementar mais gastos e investimentos que gostaria de visualizar mensalmente e, caso queira ter uma visão de gastos de toda a família, contar com a ajuda de cada membro, para chegar a um modelo ideal.

É com bastante prática que você vai deixando a planilha do jeito que realmente precisa. E, quando se vê, logo estará economizando o suficiente para conseguir aumentar o seu patrimônio e se organizar para uma vida financeiramente mais saudável.

Agora que você conheceu diversos exemplos de planilha, além de formas de organizar os seus investimentos e gastos do dia a dia, está na hora de colocar o conhecimento em prática e começar a realizar os seus sonhos.

Se você tem o desejo de investir em um bem de alto valor, é preciso pensar no longo prazo. A melhor forma de fazer esse investimento é por meio do consórcio. Sem entrada e sem juros, como acontece no financiamento, com o consórcio você define o valor que gostaria de pagar mensalmente e a quantidade de parcelas. Tudo isso a partir da definição da carta de crédito, que é o valor que representa o total do bem.

Com uma planilha de planejamento financeiro, você consegue saber com antecedência qual o melhor valor para a sua parcela, além de ter uma visão do melhor momento para fazer a oferta do seu lance - se desejar. Com organização e planejamento, você conseguirá realizar os seus sonhos e aumentar o seu patrimônio.

Para entender como funciona o consórcio, faça uma simulação e compare as vantagens com o financiamento.
Simulação Consórcio

chat Eva