Vantagens e desvantagens de morar em um prédio

Vantagens e desvantagens de morar em um prédio

Com o passar dos anos, a necessidade dos brasileiros em relação à moradia têm mudado bastante. Se antes era comum ter a imagem de uma família que comprava o seu terreno para, então, construir a casa do jeito que sempre quis, essa realidade passou a mudar.  

Quem mora em grandes metrópoles sabe muito bem que a paisagem é composta, principalmente, de prédios - ainda mais em bairros considerados nobres, em que a procura por novas moradias tende a ser maior do que em outras localidades. 

Cada vez mais pessoas procuram um prédio para a compra do seu apartamento. Os motivos são diversos: mais praticidade, vontade de morar mais perto do trabalho, entre outras razões. Atualmente, cerca de 14% de todas as moradias do país são apartamentos, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  

Esse dado mostra que os brasileiros continuam se preocupando com o seu próprio imóvel. Porém, boa parte das pessoas ainda vê o seu lar como uma forma de se conectar com outras pessoas e com outros locais.  

De certa forma, o apartamento traduz essa conexão. Para se ter uma ideia, o número de apartamentos no país saltou mais de 300% nos últimos 35 anos, segundo os dados do IBGE. O mercado imobiliário se beneficia bastante com esse tipo de construção, afinal, não é necessário ser dono de um terreno tão grande para comportar a quantidade de pessoas que moram em um prédio ou em um condomínio. 

Atualmente, existem mais de 10 milhões de apartamentos residenciais em todo o Brasil, e esse número deve aumentar ainda mais, por conta do crescimento populacional e, principalmente, com a procura cada vez maior por espaço nas grandes cidades do país. 

Se você procura comprar um imóvel, pode considerar um apartamento. A seguir, vamos apresentar as vantagens e desvantagens desse tipo de moradia que continua aquecendo o mercado imobiliário, anos após ano. 

Vantagens de morar em um apartamento 

A seguir, vamos mostrar alguns motivos para considerar um apartamento como lar.  

Mais segurança 

A grande maioria das pessoas que decidem morar em um apartamento citam a segurança como um dos principais fatores. Geralmente, um prédio conta com uma portaria que funciona 24 horas, sempre atenta à chegada de embalagens, novas pessoas e, certamente, prestando um serviço de atendimento aos moradores que facilita bastante o dia a dia. 

Com uma portaria, você tem uma camada de proteção nos casos em que precisa receber uma entrega, por exemplo, ou quando alguém decide visitá-lo. O uso do interfone facilita a comunicação e impede ser incomodado por vendedores ou pessoas estranhas que possam bater na sua porta, por exemplo. 

Morar em um prédio é fazer parte de um acordo coletivo, com regras geralmente gerenciadas por um síndico. É comum que muitas delas atendam às preocupações dos condôminos, em busca de um convívio mais seguro. Em alguns casos, isso envolve a cumplicidade das pessoas: por estarem mais ‘próximas’ umas das outras, fica mais fácil relatar atividades estranhas dentro do prédio ou condomínio. 

Caso precise viajar ou passar um tempo considerável em um lugar fora de casa, morar em um prédio pode dar o conforto e segurança necessários. Afinal, é um tipo de lar menos propenso a invasões. Em casos assim, você não precisa se preocupar tanto com a infraestrutura do local: basta avisar ao porteiro ou ao síndico que irá se ausentar por um determinado período e, se por algum motivo precisar que alguém entre em sua residência, pode muito bem contar com o serviço do condomínio a seu favor. 

Localização privilegiada 

Como já antecipamos, o mercado imobiliário tem se beneficiado bastante do interesse cada vez maior das pessoas em morar em prédios. E isso tem feito com que empreiteiras e empresas de engenharia dedicassem a construir condomínios inteiros em complexos localizados em bairros privilegiados. 

Quem mora nas grandes cidades provavelmente já andou pelos bairros mais nobres e se deparou com diversos condomínios, de diferentes configurações: entre prédios isolados e complexos com vários edifícios, é possível visualizar uma oferta maior de apartamentos em regiões atrativas, cercadas por uma boa quantidade de comércio e com grande movimentação.  

Morar em um local privilegiado permite contato mais próximo com uma série de serviços essenciais: transporte público de qualidade, hospitais, uma grande oferta de supermercados e até mesmo mais opções de lazer, com bares e restaurantes que costumam ser frequentados até mesmo por pessoas que vêm de bairros mais distantes.  

Embora a localização seja um fator determinante no preço por metro quadrado de um apartamento, o fato é que muitos prédios estão localizados em regiões que costumam ser cobiçadas pelos moradores - ótimo para quem busca estar mais próximo de boas experiências na cidade em que mora. 

Mais opções de lazer 

Muitas pessoas escolhem o prédio como moradia não apenas pelo espaço interno dos apartamentos. A verdade é que cada vez mais os condomínios têm se preocupado em oferecer uma gama de serviços de qualidade para os moradores, incluindo mais opções de lazer. 

Quem mora em prédio pode contar com diversas opções para passar um bom tempo dentro do prédio: alguns condomínios possuem áreas compartilhadas, com parques, piscinas e até quadras de futebol. Trata-se de uma ótima opção para quem deseja criar os seus filhos, que podem brincar com a segurança de se manter em um ambiente fechado e vigiado, de acordo com as normas do condomínio. 

E não são apenas as crianças que se beneficiam das opções de lazer. Muitos prédios possuem os cobiçados salões de festa, com churrasqueira e amplo espaço preparado para receber uma boa quantidade de convidados. Alguns possuem até academias e sala de jogos, ampliando as opções para quem busca cuidar de si próprio. 

Vale ressaltar que as opções de lazer se destacam como uma ótima forma de socialização com os demais moradores: fica mais fácil encontrar amigos para brincar com os filhos ou até mesmo estabelecer amizades duradouras com outras pessoas que moram no mesmo local. 

Mais economia e praticidade 

Morar em um condomínio facilita bastante o acesso a diversos serviços: limpeza, centralização das despesas fixas (como água, luz e, em alguns prédios, até mesmo gás), segurança e manutenção de áreas externas.  

Já imaginou se morasse em uma casa que oferecesse tudo isso? Muito provavelmente você teria mais trabalho para cuidar de tudo e até mesmo desembolsar mais dinheiro. 

Dependendo dos serviços oferecidos pelo prédio, você pode economizar de diversas formas: com academia, idas a clubes ou até parques de diversões, dependendo da estrutura do condomínio. Como muitos equipamentos são provenientes da contribuição coletiva de moradores, há uma economia de segurança - afinal, quem mora em casa dificilmente teria acesso às câmeras e demais itens de instalação, que costumam ser complexos, que os moradores de prédio possuem.  

Criar mais laços de amizade com vizinhos 

Os apartamentos costumam ser bem próximos uns dos outros. Por mais que todos tenham uma rotina corrida, mesmo trabalhando de casa, o fato é que as áreas de convívio de um prédio costumam ser uma boa forma de socializar com diferentes pessoas do seu prédio. 

Dessa forma, fica mais fácil conhecer as pessoas próximas e até mesmo estabelecer laços de amizade e proximidade. Para as crianças, esse é um fator importante, já que muitas delas só têm o momento da escola para interagir com outras crianças. 

Não precisa se preocupar com manutenção 

Além de ter o custo com apartamento, quem mora em prédio precisa se manter comprometido com o pagamento do condomínio, que cuida de uma série de serviços a favor dos moradores: limpeza, jardinagem e até mesmo manutenção de toda a infraestrutura. 

Dessa forma, o morador não precisa se preocupar em lidar com manutenção de sua residência, contando com o apoio dos funcionários e do síndico do prédio para lidar com questões estruturais que podem gerar mais custos (ou dor de cabeça) para quem costuma morar em uma casa, por exemplo. 

Desvantagens de morar em um apartamento 

Da mesma forma que os fatores apresentados como vantagens de morar em um prédio levam muitas pessoas a considerá-lo como lar, também é importante enumerar algumas de suas desvantagens. Confira a seguir. 

Regras de convívio 

Quem nunca entrou em um elevador de um prédio e se deparou com algum comunicado informando alguma regra a ser seguida por todos os moradores e visitantes?  

Muitos condomínios possuem regras gerais, como controle do barulho e proibição de fumo nas áreas comuns. Outros, porém, costumam trazer algumas regras mais específicas, incluindo controle de horário na hora de fazer reforma no seu apartamento ou até mesmo controle mais restrito dos visitantes. 

As regras geralmente são discutidas entre os condôminos, sempre com a intermediação do síndico. Na maioria das situações, o não cumprimento das regras acarreta em multa ou algum tipo de punição específica previamente determinada. 

Por conta disso, morar em um apartamento significa estar ciente desse acordo coletivo e se adequar às regras de convívio. Para muitas pessoas, esse fator limita a liberdade em diversos aspectos, dificultando a realização de eventos dentro do próprio apê, por exemplo.  

Menos privacidade 

Ainda como parte do acordo coletivo, é preciso abrir mão de alguns hábitos ao morar em um prédio. Por exemplo, você não pode ouvir música ou assistir à televisão com um som muito alto, para não gerar incômodo. 

Além do mais, precisa ficar atento às paredes finas que são características de alguns tipos de prédio. Quem mora em um apartamento que possui algum tipo de terraço ou janelas posicionadas de frente para outros condôminos, precisa ficar ainda mais atento, para evitar circulação com roupas íntimas, por exemplo. Uma boa medida é instalar algum tipo de cortina, a fim de obter o mínimo de privacidade. 

Menos autonomia 

Alguns prédios limitam o que os moradores podem fazer até mesmo dentro de suas residências. A grande maioria dos condomínios possui algum tipo de regra que determina em que momento pode ser feito algum tipo de reforma interna. Trata-se de uma medida plausível, afinal, o barulho que vem de um apartamento em reforma costuma incomodar bem mais do que se fosse feito em uma casa, por exemplo. 

Porém, existem mais limitações para quem mora em um apartamento: alguns condomínios não permitem certos tipos de reforma, possuem algum tipo de restrição em relação à circulação das pessoas e, dependendo do local, podem sofrer com a interferência contínua dos moradores mais incomodados com qualquer tipo de barulho. 

Tem que pagar condomínio 

Por mais que o pagamento da taxa do condomínio seja utilizado para arcar com uma série de serviços, que vão da jardinagem a equipamentos de segurança, o fato é que o valor cobrado trata-se nada menos do que muitos chamam de “segundo aluguel”. 

Sim, morar em um prédio significa estar comprometido a todo o tempo com o valor do condomínio, por mais que você discorde de algumas decisões tomadas para mantê-lo.  

Antes mesmo de escolher um apartamento para morar - ou até mesmo alugar - leve em consideração que o valor do condomínio se trata de um compromisso permanente. Seu não pagamento pode levar a um processo de despejo, gerando um imenso desconforto.  

Ficar atento às multas 

Mais um motivo para ficar atento aos seus rendimentos mensais quando considerar a compra de um apartamento: o pagamento de multas. Cada condomínio pratica seus valores específicos, mas a verdade é que todos estão passíveis a cometer algum tipo de erro - como barulho alto, incômodo após determinado horário, aglomeração, entre outros aspectos que possam interferir na comodidade social. 

Espaço menor 

O dinheiro que você utiliza para a compra de um apartamento bem localizado certamente compraria um espaço maior em uma casa. Muitas pessoas fazem esse tipo de pergunta antes de tomar a decisão de morar em um prédio. 

Sim, o ambiente é mais compacto e, dependendo do condomínio, alguns serviços tendem a ser compartilhados - como as lavanderias, por exemplo, já que muitos apartamentos não têm espaço ou ventilação o suficiente para lavar e estender roupas. 

Geralmente os moradores têm acesso a apenas uma vaga de garagem - caso queiram mais de uma, precisam alugar ou até mesmo comprar uma vaga a mais, gerando um custo adicional de moradia. 

Quem tem o costume de receber amigos e familiares em casa pode se sentir incomodado com essa falta de espaço - além de ter que ficar atento ao barulho gerado, que pode gerar multa, dependendo do horário. 

Restrições para ter animais domésticos 

Muitos condomínios têm restrições para a criação de um animal doméstico dentro de seu espaço, seja pelo barulho ou até mesmo por conta da falta de espaço para mantê-lo de forma saudável em seu convívio. 

Inclusive, alguns prédios podem não aceitar pets dentro dos apartamentos, por conta do incômodo que podem gerar a alguns moradores.  

Até mesmo nos locais que costumam ser mais amistosos com os bichinhos, é preciso ficar atento a que tipo de raça convive com harmonia dentro de um ambiente tão limitado, como o apartamento.  

Quem gosta de cães, por exemplo, talvez tenha que evitar os animais de grande porte - que não terão espaço o suficiente para se sentirem confortáveis.  

Quanto aos gatos de estimação, fique atento se o seu bichinho não tem o costume de sair de casa. Dentro de um apartamento, sua circulação fica extremamente limitada, portanto, é preciso avaliar sua adaptação antes de uma possível mudança. 

Como investir na compra de um apartamento 

Agora que você conhece as vantagens e desvantagens de morar em um prédio, ainda assim consideraria a compra de um apartamento? 

Quando se trata de escolher o melhor local para morar, não existe ‘certo’ e ‘errado’. É preciso colocar todas essas características na balança, a fim de ter uma escolha que realmente atenda às suas necessidades - e às necessidades de todos os integrantes da família. 

Se você tem interesse de morar em um apartamento, pode contar com diversas formas de investir nesse tipo de moradia. Confira as formas de pagamento do seu imóvel: 

  • Pagamento à vista: assim como qualquer tipo de compra, você pode comprar seu imóvel à vista. Só fique atento se esse dinheiro não irá comprometer todas as suas economias. É importante ter uma reserva de emergência, que consiste em pelo menos seis vezes o total de seus rendimentos mensais dentro de uma conta apartada de sua conta corrente. Caso tenha que abrir mão deste valor na compra à vista, considere outras formas de pagamento, a fim de manter sua estabilidade financeira. 

  • Financiamento: por essa modalidade, é preciso pagar um valor de entrada, que corresponde a cerca de 20% do total do imóvel. O valor restante é financiado por uma instituição financeira, que pode dividir em mais de 15 anos. Porém, cada parcela contém juros, que podem fazer com que o bem a prazo fique duas vezes ou mais caro que o seu valor original, gerando um prejuízo ao consumidor a longo prazo. 

  • Consórcio: é a melhor forma de planejar a compra de um apartamento. Você não sai com o bem na hora, como nas demais modalidades, mas pode planejar a sua compra do zero. É você que determina o valor da carta de crédito, que corresponde ao preço do apartamento que deseja comprar, e a quantidade de mensalidades da sua cota. Você pode ser contemplado por meio dos sorteios ou com a oferta de um lance, que é um valor a mais que todos podem tentar, com o objetivo de antecipar sua aquisição. Com o consórcio, você não precisa se preocupar com valor de entrada ou pagamento de juros. Só é cobrada taxa de administração, que não ultrapassa 20% do valor total da carta de crédito. 

A seguir, vamos explicar com mais detalhes como funciona o consórcio para a compra do seu apartamento. 

Como comprar um apartamento com o consórcio 

Por meio do consórcio imobiliário, você pode realizar o sonho de comprar o seu apartamento. Trata-se de uma forma planejada de compra, que não compromete seus rendimentos mensais. 

Antes de tudo, é preciso selecionar uma administradora de consórcio que tenha autorização do Banco Central do Brasil (Bacen). A Embracon, por exemplo, é uma delas, realizando sonhos de pessoas há mais de 30 anos por meio do consórcio. 

Depois disso, basta entrar no site da administradora, selecionar a categoria de consórcio de imóveis e prosseguir com a simulação, que permite selecionar o valor da carta de crédito e a quantidade de mensalidades em que pretende dividir. 

O simulador é um mecanismo bem dinâmico, que permite saber o valor da mensalidade que você pagaria, já com inclusão da taxa de administração e fundo de reserva. Você pode simular o seu bem quantas vezes quiser, até identificar o melhor valor para a sua cota. 

Após fornecer os dados pessoais nesse processo, um especialista de consórcio entra em contato, para tirar todas as dúvidas e entregar o contrato de adesão. Ao se tornar um consorciado, você entra em um grupo de consórcio, que reúne outras pessoas com interesses semelhantes ao seu. 

A cada mês é realizada a assembleia de consórcio com os integrantes do seu grupo, momento em que ocorrem as contemplações. 

Todos os consorciados podem ser sorteados com a sua cota: isso pode acontecer tanto nos primeiros, quanto nos últimos meses de pagamento do seu consórcio. Caso queira antecipar a sua aquisição, é possível fazer a oferta de um lance. No caso específico do consórcio de imóveis, pode-se fazer uso dos recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) como lance. 

Ao ser contemplado, a administradora realiza uma análise de crédito e, se for aprovado, você tem acesso ao valor integral da carta de crédito, que permite a compra do seu apartamento. 

E então, que tal começar a investir no seu novo lar o quanto antes? Faça uma simulação de consórcio de imóveis, planeje a sua nova aquisição e desfrute das vantagens de se morar em um prédio. 

chat Eva