O que você deve saber antes de comprar sua primeira casa

O que você deve saber antes de comprar sua primeira casa

Sabe qual é o maior sonho de todos os brasileiros? Conquistar a casa própria! Na verdade, já faz tempo que as pessoas alimentam esse desejo. E, mesmo após anos turbulentos para a nossa economia, sem falar da pandemia de Covid-19, esse sonho se manteve.  

Uma pesquisa feita pela Datastore, especializada em pesquisas no setor imobiliário, mostrou que mais de 13 milhões de famílias brasileiras devem comprar um imóvel em até dois anos. 

Motivos não faltam para isso. Além de dar mais segurança para as pessoas, que querem ter um lar para chamar de seu, um imóvel garante a proteção necessária para as mais diversas coisas: dívidas, falta de dinheiro para lidar com as adversidades e uma garantia de ter um teto mesmo diante dos momentos mais difíceis

Claro que não se trata de uma tarefa fácil. A compra de um imóvel envolve muitos anos - às vezes mais de 10 ou 15 anos, para se ter uma ideia. É um bem de altíssimo valor, um patrimônio que certamente fará parte de sua vida até a velhice (ou depois). 

E, para sair do campo do sonho e finalmente passar a realizá-lo, é preciso saber informações importantes, que muitas pessoas acabam descobrindo no meio do caminho.  

A seguir, vamos mostrar tudo o que você deve saber antes de comprar a sua primeira casa

Planejamento é a melhor resposta 

Antes mesmo de detalharmos sobre formas de comprar a sua casa, vale a pena ressaltar um ponto extremamente importante: o planejamento é essencial para quem deseja adquirir um imóvel

Esse planejamento pode se materializar de diferentes formas: pode ser que você decida juntar dinheiro um bom tempo para pagar de uma só vez ou até mesmo investir em um terreno para, aos poucos, construir a casa que deseja. 

Mas, é importante ressaltar o planejamento porque muitas pessoas têm pressa quando o assunto é ter uma moradia. E, quando agimos com pressa, tendemos a aceitar as opções mais fáceis que surgem à nossa frente.  

Pense bem antes de tomar qualquer tipo de decisão e trabalhe para conseguir juntar dinheiro aos poucos. Você pode traçar algumas estratégias, como direcionar o dinheiro para a casa em uma conta apartada - e nem precisa ser poupança, já que existem contas digitais fáceis de abrir e que rendem mais de 100% do CDI, o que significa ganhos maiores que a poupança

Você verá a palavra planejamento por aqui muitas vezes. É proposital. Quanto mais você conseguir colocar o planejamento em prática, melhor será sua experiência para a compra da primeira casa. 

Conheça as formas de se comprar uma casa 

Muitas pessoas acreditam que existem apenas duas formas de comprar a casa: com o dinheiro totalmente à vista ou com intermédio de um banco, por meio do financiamento. Além dessas opções, também existe o consórcio, que é uma modalidade que favorece bastante o seu planejamento. 

Vamos mostrar os detalhes de cada uma dessas formas de compra. 

Pagamento à vista 

Essa é a forma mais conhecida de fazer qualquer tipo de compra. Para isso, você pode usar o dinheiro em espécie para a compra da sua casa ou até outras formas de pagamento mais seguras, como pagamento por meio de cartão de débito ou transferência via TED ou Pix para o proprietário. 

Em todos os casos, você precisa ter o valor integral da casa para a compra imediata. Trata-se de uma opção para poucos, afinal, não é pra qualquer um ter um valor de seis dígitos na conta que pode ser utilizado de uma só vez. 

A vantagem do pagamento à vista é que você não fica com dívida alguma após a transação. O imóvel já é seu, e você só precisa resolver os trâmites burocráticos para a transferência de propriedade, idas ao cartório etc. 

A desvantagem, porém, é que você precisa ter um longo esforço para ter o valor completo para a compra da sua casa. Isso pode envolver abrir mão de parte substancial de seu patrimônio. Além disso, alguns especialistas em finanças pessoais recomendam ter cautela em uma compra à vista dessa magnitude: se você ainda não possui uma reserva de emergência, por exemplo, deve reconsiderar a compra à vista de uma vez, porque o dinheiro utilizado pode fazer falta diante de alguma situação de emergência, 

Portanto, se considera a compra à vista, priorize a sua segurança e a de toda a sua família com uma reserva de emergência em uma conta de fácil resgate. 

Financiamento 

Boa parte das pessoas interessadas em comprar uma casa consideram o financiamento por motivos diversos: querem ter o acesso ao bem de forma antecipada e, às vezes, acreditam ser a única forma de ter acesso ao imóvel. 

Não é bem assim, como iremos explicar mais pra frente. 

O financiamento permite a compra parcelada da sua casa. Para isso, é preciso o intermédio de uma instituição financeira, que pode facilitar esse processo de diversas formas. Pela forma convencional, é pedido, no mínimo, 20% do valor total do imóvel como entrada.  

O valor restante é financiado, ou seja, dividido e com acréscimo de juros compostos (que são juros sobre juros). Quanto menor o valor de entrada, maior é o índice de juros nas parcelas. 

Por conta disso, a compra de uma casa financiada pode custar o dobro ou, em alguns casos, até o triplo de seu valor original. 

Para conseguir o financiamento, é preciso passar por comprovação de renda e entregar uma série de documentações, dando provas de que é um bom pagador. Por conta disso, trata-se da forma mais burocrática de investir em um bem. 

Além disso, a compra de uma casa por meio do financiamento fará com que você gaste bem mais do que outras formas de pagamento.  

Se você deseja investir em uma casa de forma mais planejada, que não comprometa demais seu orçamento mensal, pode contar com o consórcio, que iremos explicar a seguir. 

Consórcio 

O consórcio é uma forma planejada de comprar a sua casa. Não é preciso pagar valor de entrada e muito menos juros. Você não sai com o bem na hora, mas conta com um sistema que ajuda no planejamento da compra, como um autofinanciamento

Para isso, é preciso escolher uma administradora de confiança, que tenha autorização do Banco Central do Brasil (Bacen) para operar corretamente - como a Embracon. Depois disso, basta selecionar a categoria de consórcio de imóveis e fazer a sua simulação. 

Você pode simular o bem quantas vezes considerar necessário. É um processo bem simples: primeiramente, você seleciona o valor da carta de crédito, que corresponde ao valor integral do bem. E, depois disso, a quantidade de mensalidades que deseja pagar. 

Em resumo, pelo consórcio você investe na carta de crédito, que vai possibilitar a compra da casa que você deseja como se fosse à vista. 

Depois de passar pelo processo de simulação, o próximo passo é assinar o contrato de adesão. A administradora tem um período até inseri-lo em um grupo de consórcio, que reúne outras pessoas com interesses semelhantes.  

Mensalmente, os integrantes dos grupos se reúnem para as assembleias, onde acontecem as contemplações. 

Pelo consórcio, você pode ser contemplado de duas formas: por meio dos sorteios ou com a oferta de um lance (com valor mínimo de 10% da carta de crédito). Pelo lance, o maior valor dado em uma assembleia define o vencedor. No caso do consórcio de imóveis, é possível contar com o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) para fazer a sua oferta. Basta seguir os passos da Área de Clientes e apresentar sua oferta até 24h antes da assembleia. 

O consorciado com lance vencedor tem o valor debitado para a administradora e quita as últimas mensalidades de seu consórcio. Ou seja, quem é contemplado por lance termina de pagar sua cota com antecedência. 

Ao ser contemplado - seja por sorteio ou lance - o consorciado tem acesso à carta de crédito, que dá poder de compra à vista para o bem.  

Por que o consórcio é a melhor forma de comprar sua casa 

Agora que você já sabe como funciona o consórcio, vamos mostrar alguns motivos para considerá-lo na compra da sua primeira casa. 

Você define o valor de carta de crédito 

No processo de simulação, você determina o valor que pretende investir, além da quantidade de parcelas

Esse mecanismo favorece o planejamento da compra a partir da sua situação financeira. Converse com todos os integrantes da família e veja qual o melhor valor de mensalidade a pagar por meio do consórcio.  

Para evitar qualquer tipo de inadimplência, as administradoras não permitem que a mensalidade seja 30% maior que os rendimentos mensais do proprietário da cota. Simule quantas vezes for necessário até identificar o valor mais acessível para você realizar seu sonho. 

Não precisa se preocupar com entrada ou valores intermediários 

Com o consórcio, basta definir o valor a ser pago mensalmente, e pronto. Você não precisa pagar valor de entrada e nem se preocupar com valores intermediários - comuns na compra de imóveis na planta, por exemplo. 

De imediato, você já sabe o valor que precisa pagar e precisa ficar atento aos reajustes das mensalidades a cada ano, sempre de acordo com a inflação do período. 

Pode escolher o imóvel apenas ao ser contemplado 

Sem pressa, você pode pagar suas mensalidades tranquilamente, sem ter que decidir de imediato que imóvel vai comprar. 

Aproveite esse período de pagamento para pesquisar bairro, valor médio por região e até mesmo definir o valor de carta de crédito que mais tem a ver com o seu desejo de primeiro imóvel. 

Isso permite tomar uma decisão mais bem estruturada e inteligente para a compra da sua primeira casa (ou apartamento, se preferir). 

Tem a possibilidade de ofertar o lance 

Caso queira antecipar a sua aquisição, você pode contar com a oferta de um lance - contanto que seja de, no mínimo, 10% do valor da carta de crédito. 

Uma das vantagens do lance é a quitação antecipada da sua cota, já que o valor debitado quita as últimas mensalidades. E, caso outro consorciado seja contemplado em seu lugar, não se preocupe: você pode ofertar nos meses seguintes. 

Para a compra da primeira casa, você pode contar com os recursos do FGTS.  

Poder de compra preservado 

Quando você faz a simulação de um bem, muito provavelmente você deve ter algo materializado. Mas, até que você seja devidamente contemplado, podem se passar muitos meses ou até anos. 

Com o consórcio, você não precisa se preocupar com isso. A cada ano, a sua cota é reajustada, levando em consideração o INCC (Índice Nacional de Custo de Construção), que é o índice de referência para o consórcio de imóveis. 

Por conta disso, sempre que sua cota faz aniversário anual, ela passa por um reajuste em benefício da sua carta de crédito. A administradora aplica o percentual do INCC no valor final da carta de crédito e recalcula o valor da mensalidade.  

Vale lembrar que o valor do reajuste é aplicado para preservar o poder de compra. Dessa forma, ao ser contemplado, o valor que você utilizou como carta de crédito pode aumentar, de forma que viabiliza a compra do bem que você havia planejado.  

Diversas possibilidades de compra de imóvel 

Confira a seguir o que é possível comprar com o seu consórcio de imóveis: 

  • Compra de um terreno: para você que deseja construir seu imóvel do zero, pode utilizar a carta de crédito para a compra de um terreno. 

  • Compra de um apartamento na planta: uma opção muito vantajosa para quem deseja decorar o seu apartamento do jeito que sempre sonhou. Vale lembrar que um apartamento na planta pode ficar até 40% mais barato do que um decorado.  

  • Compra de uma casa decorada: se você já sabe a casa que realmente quer comprar, também pode utilizar a carta de crédito para sua quitação à vista. 

  • Compra de um empreendimento: com o número cada vez maior de brasileiros empreendedores, o consórcio de imóveis também se apresenta como uma opção para a compra de espaços, não importa o tamanho. 

Com a carta de crédito, você não precisa ter o valor exato da sua compra. Caso a carta tenha um valor maior que o bem, é possível utilizar até 10% dela para despesas burocráticas, como idas ao cartório, valor de escritura etc.  

E, se o bem tiver um preço superior à sua carta de crédito, a administradora faz a liberação da mesma forma, e você pode negociar com o proprietário o pagamento do valor restante. 

Aproveite a condição de poder de compra à vista e busque a melhor forma de comprar sua casa com o consórcio de imóveis. 

Dicas para a compra da sua casa 

Agora que você já conhece todos os detalhes de como o consórcio pode ajudar na compra da sua primeira casa, vamos falar sobre os detalhes burocráticos e que precisam ser vistos com calma na hora da compra. Confira a seguir. 

Defina o valor que pretende gastar 

Embora seja difícil definir um valor total para a compra de um bem tão importante e volátil como uma casa, vale a pena ter pelo menos uma estimativa do quanto você desejaria gastar nessa aquisição

Não é preciso ser certeiro com os números nesse momento. Quando você avançar com o processo de compra - seja por meio da construção após a compra do terreno, ou com uma casa já decorada - terá mais noção do valor que irá gastar. 

A dica que fica é: pesquise bastante os preços antes de definir o valor que pretende gastar na sua casa. Não deixe de lado seus desejos ou mesmo o seu sonho. Tudo é possível de ser atingido, contanto que tenha planejamento e foco. 

Terreno ou casa pronta?  

Decidir entre a compra de um terreno ou uma casa já decorada pode influenciar bastante no orçamento para o seu primeiro lar. Embora o terreno seja mais barato, entenda que existe o custo da construção: contratação de mão-de-obra, documentação do terreno, acabamento, entre outros. 

Quanto à casa decorada, é preciso analisar se a estrutura permanece boa, a situação da parte elétrica e hidráulica, além do próprio acabamento. Muito provavelmente você e sua família podem considerar uma reforma para o novo ambiente, o que representa mais um tipo de gasto. 

Pesquise o bairro com antecedência 

Viu o local em que deseja comprar? Ótimo, mas a pesquisa não para por aí. Veja se o valor por metro quadrado é compatível com os índices de sua cidade e ande bastante pelo bairro, para verificar os estabelecimentos das proximidades.  

Bairros próximos a hospitais e linhas de metrô, por exemplo, tendem a valorizar mais - ainda mais se ficarem na região central da sua cidade. 

Além disso, veja se o bairro não costuma ser muito barulhento, especialmente à noite. Afinal, quem quer se mudar para um local para não conseguir dormir com tranquilidade, não é mesmo?  

Você pode tentar diversas abordagens: conversar com moradores locais, pesquisar sobre os índices de criminalidade na região, entre outras estratégias, para ver se o bairro realmente oferece o que você e sua família precisam. 

Não se mude antes do acabamento 

Na ansiedade de morar o quanto antes em seu novo lar, muitas pessoas forçam a mudança o quanto antes. Existem motivos para isso - um dos mais comuns é a falta de dinheiro para terminar a parte de acabamento

A melhor forma de evitar que isso aconteça é planejar com antecedência o valor a ser gasto com pintura, gesso e afins, para não ser surpreendido no final, quando o orçamento estiver perto de se estourar. O acabamento pode representar mais de 30% do valor gasto em uma casa. Portanto, cuide de todos os detalhes com antecedência, para não correr o risco de morar em um local com ar de inacabado. 

Planeje a decoração da sua casa 

Para a decoração, você pode contar com o trabalho de um especialista, como um arquiteto ou designer de interiores. Quanto antes você lidar com isso, menores são as chances de gastar mais quando tiver na parte de acabamento da sua casa. 

O ideal é que a sua casa já seja construída com a decoração em mente, para evitar retrabalho. Com a contratação antecipada de um arquiteto ou engenheiro, você pode projetar do começo ao fim como a sua primeira casa vai ficar. 

Cuidado para não se empolgar 

É comum que o planejamento apresente algumas falhas e o orçamento saia do previsto. Porém, lide com isso da melhor forma possível: sempre deixe uma margem no seu orçamento para cada etapa, para que o valor final não ultrapasse demais o que havia determinado lá no começo. 

Fique atento com as documentações 

Na compra da sua casa, é preciso que você registre devidamente seu imóvel na Prefeitura da sua cidade, independente do contrato de compra e venda.  

Para o devido registro do seu imóvel, você precisa ficar atento com:  

  • Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), cobrado pela Prefeitura; 

  • Escritura pública, cobrada pelo cartório; 

  • Registro do imóvel, cobrado pelo tabelionato de notas. 

O imóvel é um bem a longo prazo. Mas, com paciência e bastante planejamento, você pode realizar o sonho da sua primeira casa sem ter que se apertar financeiramente. Para isso, conte com o consórcio de imóveis: faça uma simulação e confira as múltiplas vantagens de uma modalidade que permite o parcelamento e não cobra juros nem entrada. 

chat Eva