7 dicas para guardar dinheiro

7 dicas para guardar dinheiro

Quando o assunto é guardar dinheiro, muitos brasileiros revelam ter dificuldades. Com a pandemia de Covid-19, que deixou o cenário econômico ainda mais instável, o hábito de poupar se tornou um desafio ainda maior.

De acordo com pesquisa realizada pela Acordo Certo, plataforma de renegociação de dívidas, mais de 56% dos brasileiros revelam ter dificuldades em guardar dinheiro. Entre os motivos apontados se destacam o alto preço das contas e compras de casa, além do valor que recebem como salário.

Claro que, quanto menor o rendimento mensal, maior é a dificuldade de poupar. Quem deseja ter uma vida financeira mais saudável, porém, precisa se organizar para guardar dinheiro e conquistar objetivos maiores.

Para isso, é preciso ter uma mudança de comportamento que envolva toda a família. Mesmo as pessoas mais endividadas podem fazer essa virada de chave. Para isso, vamos mostrar algumas dicas que podem ser colocadas em prática o quanto antes.

1. Saiba quanto você ganha e quanto gasta

Pode parecer óbvio, mas saber o quanto ganha e o quanto gasta é o primeiro passo primordial de qualquer planejamento financeiro.

Só tendo um real diagnóstico da sua receita e das suas despesas você saberá estabelecer o plano de ação necessário para guardar dinheiro. Para isso, claro, você não precisa contar com o caderninho de anotações; felizmente existem plataformas e ferramentas que são mais eficazes em nos ajudar nesse controle.

2.Utilize uma planilha ou aplicativo

Por muitas décadas, a planilha de gastos passou a se tornar uma ferramenta imprescindível nas famílias mais organizadas financeiramente.

Com a planilha, você pode listar todos os seus gastos e despesas e até mesmo ter uma previsão de quando terá um valor sobrando no fim do mês. Existem diversos aplicativos financeiros que ajudam bastante em toda essa organização.  

O que realmente importa é ter anotado em um mesmo local toda a sua atividade financeira, para entender quais são os seus maiores gastos.

3.Controle os seus gastos

Agora que você tem uma planilha ou um app de finanças, precisa manter a rotina de atualizar os seus gastos. Até mesmo o cafezinho na padaria deve fazer parte dessa listagem, afinal, estamos falando de rever os hábitos. Por mais desconfortável que isso possa parecer, ter o controle de seus gastos pode ajudar bastante a definir o que é prioritário em sua vida financeira.

4.Corte os gastos supérfluos

Agora que você já sabe muito bem como estão divididos os seus gastos, é hora de entrar com o plano de ação.

Se você gasta muito com alimentação, por exemplo, considere comprar os seus alimentos em um supermercado e fazer a sua comida em casa. No caso de trabalhar alocado no escritório, considere levar marmitas, que podem gerar uma boa economia.

Analise também as contas de sua casa. Será que você realmente precisa pagar por um pacote de TV a cabo quando não assiste mais do que alguns canais nas horas livres? Vale o mesmo para serviços de streaming, por exemplo. Também é possível rever a conta do seu pacote de celular e adotar planos pré-pagos, que costumam ser mais econômicos.  

Caso a situação continue apertada, considere anotar todos os seus gastos durante as compras de casa. Você pode trocar a marca dos itens que compra rotineiramente. E, claro, pode reduzir a frequência com que gasta ao almoçar fora ou comprar o cafezinho na padaria.  

Nos primeiros meses, adotar esses hábitos pode ser bem difícil. Por isso mesmo, converse com todos os integrantes da família, deixe bem claro qual é o objetivo ao economizar e se apoiem, para que realmente consiga atingir seus objetivos.

5.Pague todas as suas dívidas

Antes mesmo de pensar em guardar dinheiro, não tem jeito: é preciso resolver o pagamento das suas dívidas. Isso porque o juros que se paga pelo atraso é maior do que juros que você teria com o rendimento do seu dinheiro guardado.

Se você possui mais de uma dívida, priorize a que possui maior incidência de juros. Negocie diretamente com a empresa e veja quais são as suas opções. Você pode tentar diferentes tipos de abordagem para pagar a sua dívida: juntar um valor para fazer a quitação à vista, o que pode gerar um bom desconto, mas pode demorar mais tempo que o previsto; ou negociar o parcelamento da dívida, que pode seguir de acordo com seu planejamento financeiro, mesmo que demore mais para ser totalmente paga.

Ter o seu planejamento financeiro definido nesta etapa ajuda bastante, porque você e sua família saberão a melhor abordagem em relação ao pagamento da dívida.

6.Separe o dinheiro que guardar

Após realizar o pagamento de todas as suas dívidas, você finalmente pode ter um espacinho para guardar o seu dinheiro.

Quanto a isso, o mais recomendado é ter uma conta apartada da sua conta corrente, para não correr o risco de gastá-lo. Você pode criar uma conta digital com rendimento acima de 100% do CDI ou conversar com o seu gerente do banco e adquirir um produto financeiro que permita o fácil resgate. Evite a poupança, porque seu rendimento ao longo do ano é bem inferior comparado a outros tipos de investimento.

Invista também em sua educação financeira, para encontrar as melhores oportunidades de aplicação do seu dinheiro.

7.Crie metas para ter um bom motivo para economizar

Somos humanos, e precisamos estabelecer metas para atingirmos nossos objetivos. É melhor ter um propósito para o seu dinheiro do que simplesmente guardar por conta de uma ‘obrigação’ estipulada.

Converse com todos os integrantes da família e definam, em conjunto, as prioridades. Não esqueça de ter uma reserva de emergência, para ter uma segurança diante de momentos difíceis. E, claro, aproveite para investir na realização de um sonho conjunto: quem sabe o consórcio não pode te ajudar com isso?

Para mais dicas de finanças pessoais, acompanhe o blog da Embracon.

Simulação
chat Eva