Pagar à vista ou parcelado: o que é melhor?

Pagar à vista ou parcelado: o que é melhor?

Existem diversas formas de realizar uma compra: você pode sacar o dinheiro para pagar tudo de uma só vez, passar o cartão de crédito e parcelar de uma forma que fique mais em conta ou, dependendo do que se compra, pode até mesmo combinar para pagar posteriormente.

Não só existem diversas formas de realizar pagamento, como a nossa própria forma de utilizar dinheiro tem mudado significativamente nos últimos anos. Se antes as pessoas se preocupavam bastante com o método de parcelamento, por exemplo, nos dias de hoje cada vez menos pessoas saem com dinheiro na carteira para fazer algum tipo de transação.

Inclusive, por conta da pandemia de Covid-19, nem é tão recomendado assim pegar dinheiro em espécie, uma vez que as notas podem transmitir algum tipo de contaminação. Porém, esse é um método com o qual ainda devemos nos acostumar. 

De acordo com pesquisa do Banco Central realizada em 2018, 96% dos brasileiros disseram utilizar o dinheiro em espécie para fazer compras ou algum tipo de pagamento. Trata-se de um número expressivo, mas que atingia 100% da população apenas alguns anos antes (2013). 

O cartão de crédito também é comumente mencionado como uma das principais formas de pagamento para os brasileiros, atingindo 46% de toda a população. E, como a utilização de outros meios de pagamento tem sido uma tendência, 52% revelou utilizar cartão de débito - que também representa compra à vista - como forma de pagar por compras ou na quitação de alguma conta.

O brasileiro já é conhecido por ter alguns problemas quando o assunto é utilização do cartão. Por conta da pandemia, que agravou diversos setores econômicos e comprometeu o rendimento mensal de milhões de famílias, o número de dívidas de cartão de crédito aumentou bastante. 

Segundo pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) realizada em março de 2021, 77% das famílias brasileiras possuem algum tipo de dívida para pagar com o cartão de crédito. Esse problema atinge todas as classes sociais: das famílias com rendas de até 10 salários mínimos, 78% têm alguma dívida no cartão, enquanto, dos brasileiros com renda superior a 10 salários, 73% relataram endividamento com essa forma de pagamento.

Ou seja, por mais que o brasileiro utilize diferentes formas de pagamento para estar em dia com suas contas, ainda existe um grande desafio quando o assunto é encarar as contas de frente. A seguir, vamos entrar em detalhes sobre pagamento à vista e parcelado.

Como lidar melhor com as compras e gastos

Antes de entrar em detalhes sobre as melhores formas de pagamento, é preciso entender como melhorar o nosso relacionamento com as contas no dia a dia.

Se você deve mais do que ganha, por exemplo, precisa tomar uma atitude o quanto antes. A melhor forma de identificar isso é por meio de uma planilha financeira, onde se tem listado os gastos e o valor que se ganha mensalmente.

Dessa forma, você consegue visualizar para onde está indo seu dinheiro todos os meses. Não se esqueça de anotar tudo: do gasto com o cafezinho na padaria, incluindo valores de cartão de crédito, até as contas obrigatórias, como aluguel, luz, água etc.

No começo, pode ser doloroso fazer a listagem de tudo o que se gasta. Ainda assim, insista em manter a sua planilha atualizada. Só dessa forma você conseguirá ter uma boa visão de como pode melhorar na forma de lidar com os seus gastos.

De imediato, é preciso sempre estar com as dívidas em dia e diminuir os gastos supérfluos. Especialistas em finanças pessoais recomendam guardar pelo menos 10% do salário mensal para montar a reserva financeira ou até mesmo realizar algum tipo de investimento.

Mas, antes mesmo de chegar a este percentual, o mais importante é guardar alguma coisa: se você conseguir juntar R$ 100 em um mês, por exemplo, já estará em vantagem. Aos poucos, pode aumentar este valor, até montar a sua reserva de emergência, por exemplo.

Garantir um bom dinheiro para a sua reserva é extremamente importante na hora de lidar com os gastos diários. Isso ajudará a ter prioridade com o que deve ou não ser gasto, além de ajudar a planejar melhor a conquista de sonhos importantes, como a realização de um tipo de investimento ou, quem sabe, a compra de um carro melhor ou até de um segundo imóvel, para aumentar a renda de toda a sua família.

A partir do momento que lidamos melhor com as contas do dia a dia, tomamos melhores decisões de que formas de pagamento escolher. A seguir, vamos mostrar as vantagens e desvantagens de pagar à vista e parcelado.

Pagamento à vista: como funciona

Dinheiro em espécie é a forma mais comum de pagamento à vista. Trata-se de um mecanismo simples e que as pessoas já se acostumaram há séculos: se você tem dinheiro em mãos, paga o preço necessário para a compra de um bem ou serviço. 

Se o valor do seu dinheiro for maior que o bem, você recebe o troco - muitas vezes em moedas, que algumas pessoas aproveitam para juntar em seus cofrinhos, por exemplo.

Porém, existem outras formas de realizar pagamento à vista nos dias de hoje. O cartão de débito, também largamente utilizado pela população brasileira, é um dos meios favoritos para realizar compras. 

O avanço da tecnologia também tem facilitado a forma de pagamentos por outras vias, como QR Code ou até mesmo via Pix, sistema criado e auditado pelo Banco Central que permite que a transação ou transferência seja realizada na hora, sem nenhum tipo de custo para o pagador (como acontecia com transferências DOC ou TED) ou para quem recebe (comum para comerciantes que utilizam maquininhas de cartão, por exemplo).

A seguir, confira as vantagens e desvantagens de realizar pagamentos à vista.

Vantagens

A principal vantagem de se pagar à vista por um bem ou serviço é que você já quita na hora a transação. Ao fazer isso, você não tem mais comprometimento para pagar por algo que irá desfrutar e reduz bastante as chances de ter algum tipo de endividamento.

O pagamento à vista é extremamente recomendado para o pagamento de todas as contas, claro, além de compras que são realizadas periodicamente. Por exemplo, a ida ao mercado: o ideal é que o pagamento seja feito à vista, afinal, a maioria das coisas será consumida em um período máximo de um mês. Portanto, não faz sentido adiar o pagamento de algo que já foi consumido ou utilizado pouco após a compra de fato.

Você também pode dizer adeus aos juros com o pagamento à vista. Dessa forma, você sempre pagará por um valor justo o que realmente deseja.

Outra vantagem do pagamento à vista é a facilidade de negociação. Quando se tem um valor à vista, é comum que alguns vendedores ofereçam um preço mais em conta, já que não terão custos com a transação, por exemplo. 

Para casos de compra de um bem de alto valor, como automóvel ou casa, o pagamento à vista pode gerar um desconto significativo. Imagine pagar 5% a menos de algo que custa pra lá de seis dígitos? Por fim, você pode acabar tendo uma bela economia comprando desta forma.

Desvantagens

Da forma que descrevemos, até parece que não existe nenhuma desvantagem com o pagamento à vista, não é mesmo?

Porém, nem todos podem lidar com todos os pagamentos desta forma. Uma desvantagem, por exemplo, é que o pagamento à vista ajuda a descapitalizar mais rapidamente o comprador. Aliás, você precisa ter recursos o suficiente para a compra à vista e, se pagar por tudo desta forma, não vai demorar para esgotar todos os seus recursos.

Imagine que você precise comprar um novo smartphone. O valor do modelo que você quer custa mais de R$ 2.000, e você não tem o dinheiro à vista. Caso prefira utilizar este método de pagamento, terá que juntar por diversos meses para atingir este valor. Isso exige organização e muita disciplina. E, ao ter o dinheiro em mãos, será que você realmente optaria pela compra do smartphone ou preferiria guardar para investir em algo mais relevante?

Se você tiver um bom dinheiro guardado, o recomendado é não utilizá-lo para consumo imediato. Afinal, o dinheiro pode fazer falta para a compra de algo mais importante, ou até mesmo para lidar com momentos difíceis

Por isso mesmo, especialistas em finanças pessoais recomendam ficar atento a outras formas de pagamento na hora de comprar determinados tipos de bens.

Pagamento parcelado: como funciona

Desde que o primeiro cartão de crédito passou a ser utilizado no país, ainda nos anos 1950, cada vez mais os brasileiros tomaram gosto pela forma fácil de lidar com as transações, sem ter que pagar na hora.

Uma das maiores vantagens do cartão de crédito é permitir o parcelamento de uma compra. Isso ajuda bastante a lidar com compras que, mensalmente, poderiam comprometer a totalidade ou até mais dos rendimentos mensais, como a compra de smartphone, eletrodomésticos importantes, diferentes itens para casa, entre outros.

Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pelo portal Meu Bolso Feliz identificou que 8 em cada 10 brasileiros costumam utilizar a forma de pagamento parcelado no dia a dia. Dos produtos mais comprados estão as roupas e os eletrônicos.

Com o pagamento parcelado, o brasileiro finalmente teve a possibilidade de realizar compras simultâneas de bens de médio e alto valor. Basta identificar se o valor da parcela cabe no orçamento para ter uma decisão de compra - contanto que você tenha limite no seu cartão de crédito para efetuar o pagamento, é claro.

Embora o cartão de crédito seja a forma mais conhecida de parcelamento, também existem outros métodos, como o cheque, que ainda é bastante utilizado por muitos brasileiros. Segundo dados do Banco Central, o cheque representa 1% dos pagamentos feitos ao comércio, principalmente para compras de alto valor. Para se ter uma ideia, o valor médio gasto por folha de cheque é de R$ 2.226,55, um valor bem superior à média de R$ 900 que se tinha 10 anos atrás.

A seguir, vamos mostrar as vantagens e desvantagens de pagamento parcelado.

Vantagens

Digamos que a sua máquina de lavar quebrou. Você tem uma pilha de roupas para lavar e, por mais que possa contar com os serviços de lavanderia, sabe muito bem que inserir esse custo mensal pode gerar um gasto bem maior do que lavar a roupa em casa.

Se você não tem dinheiro para a compra de uma máquina, que pode custar acima de R$ 1.500, qual a sua alternativa? Comprar parcelado, é claro!

Uma das maiores vantagens de se comprar parcelado é conseguir efetuar a transação de um bem de alto valor que você não teria como pagar à vista. Dessa forma, você não compromete os seus rendimentos mensais e pode se organizar até mesmo para a compra simultânea de um ou mais produtos de alto valor.

Para que a compra parcelada seja mais efetiva, é essencial que se tenha um bom planejamento financeiro. Encare cada compra parcelada como uma dívida, para que você não acabe formando uma avalanche ao ter que pagar por um alto valor da fatura de crédito pelo acúmulo de várias compras parceladas ao mesmo tempo.

Desvantagens

O pagamento parcelado de qualquer tipo de compra pode representar um risco de endividamento. Com a facilidade de dividir a quantidade de parcelas em compras de alto valor, muitas pessoas acabam caindo na fácil armadilha de ter uma série de coisas para pagar na fatura, o que tende a comprometer os rendimentos mensais.

Além disso, quando você compra parcelado, está contraindo mais uma dívida, ou seja, um compromisso a mais que terá com o dinheiro que ganha. Ao considerar o uso do parcelamento no dia a dia, fica o lembrete: não compensa parcelar uma compra que irá usufruir em pouco tempo. 

Um exemplo é compra de supermercado: por que parcelar por uma compra que você irá consumir em menos de 30 dias? Dessa forma, você estará formando uma dívida de algo que será consumido antes mesmo de você pagar a primeira parcela.

Outro problema comum do pagamento parcelado é ter que pagar juros pela compra. Dependendo da situação, quanto mais você divide o pagamento de um produto ou bem de alto custo, maior será o juros que terá que pagar pela transação. 

Pegue o financiamento, por exemplo: é exigido um valor de entrada na tentativa de comprar um carro ou uma casa mas, quanto menor for este valor, maior serão os juros das parcelas a serem pagas. Não é à toa que dizem que, pelo financiamento, o seu bem pode custar mais que o dobro do valor original.

Consórcio: reunindo as vantagens de pagamento parcelado e à vista

Agora que você conhece muito bem como funciona, além das vantagens e desvantagens, das compras à vista e parceladas, vamos falar sobre um sistema que aproveita o que há de melhor em cada tipo de pagamento: o consórcio.

Com o consórcio, você pode comprar um bem de alto valor sem precisar pagar entrada ou juros, como acontece no financiamento. Você não sai com o bem na hora, porque precisa participar de sorteios mensais ou antecipar a sua contemplação por meio da oferta de um lance.

Porém, com o consórcio, você paga por um valor mais justo no bem final. 

Funciona da seguinte maneira: antes de tudo, é preciso selecionar o bem que deseja comprar. Pela Embracon, é possível comprar imóveis, automóveis, motos e até diferentes tipos de serviços.

Depois disso, você define o valor da carta de crédito para este bem. Cada uma das categorias de consórcio têm valores diferentes de carta: com o consórcio de imóveis, por exemplo, você pode selecionar um valor de até R$ 500 mil como carta; já o consórcio de serviços possui cartas entre R$ 15 mil e R$ 30 mil e podem ser utilizadas para viagens, estudos, reforma, festas e até mesmo cirurgias.

Após selecionar o valor que representa a totalidade do seu bem, o próximo passo é definir a quantidade de parcelas. Tudo isso é possível por meio do simulador, uma forma dinâmica de entender o quanto você teria que pagar pelo consórcio, já com o acréscimo de taxas, como taxa de administração e fundo de reserva, que servem para remunerar a empresa de consórcio e garantir que o dinheiro das cotas seja entregue nos sorteios mensais.

Depois de realizar o processo de simulação, o próximo passo é a assinatura do contrato de consórcio. Nesse momento, um especialista entra em contato, para tirar todas as dúvidas e coletar a assinatura.

O consórcio funciona como uma forma de autofinanciamento: é o consorciado que determina o valor a ser pago pelo bem que ele deseja. E isso é possível porque existem grupos, que reúnem outros consorciados que também estão investindo em seus bens.

Após a assinatura do contrato, a administradora insere o consorciado em um grupo, para que possa participar dos sorteios mensais.

A forma mais conhecida de contemplação do consórcio é por meio do sorteio - que pode acontecer do primeiro ao último mês do pagamento da cota. Nenhuma administradora pode garantir quando o consorciado será contemplado. Essa regra é determinada pelo Banco Central do Brasil (Bacen), que regula todo o setor e autoriza as empresas a realizarem a prática do consórcio. Portanto, antes de escolher a sua administradora, veja se ela possui autorização do Bacen para operar dentro da lei.

Para participar dos sorteios, é necessário estar com o pagamento da sua cota em dia.

Caso queira antecipar a sua contemplação, você pode fazer a oferta de um lance. O lance é um valor a mais que você oferece para ter a chance de ser contemplado. Em sua modalidade mais simples, o maior valor ofertado é contemplado. Porém, cada grupo possui diferentes regras, e pode facilitar outras formas de estimular o lance, como o lance fixo, em que um valor é previamente determinado e é realizado um sorteio apenas entre os interessados. 

Independente das condições do lance, só é debitado o valor de quem foi realmente contemplado após passar por nova análise pela administradora. Nessa análise, a empresa de consórcio verifica as documentações do consorciado, consulta sua situação nos órgãos de proteção ao crédito e analisa os rendimentos mensais.

É no momento da contemplação que o consorciado pode desfrutar de uma das principais vantagens do consórcio: a utilização da carta de crédito, que possui poder de compra à vista. Por exemplo, se a sua carta for de R$ 400 mil para a compra de um imóvel, o proprietário recebe este valor como se fosse à vista. Isso pode dar uma boa margem de negociação: já pensou obter um desconto de pelo menos 5% de todo este valor? Daria em torno de R$ 20 mil de economia, que poderia ser utilizado para resolver alguns tipos de burocracia, como transferência de propriedade, escritura, entre outras papeladas de cartório.

O segredo é ter um planejamento financeiro

Agora que você conhece bem as vantagens de compras à vista ou pagamento parcelado, vale a pena planejar o máximo possível cada compra ou investimento.

Em alguns momentos o pagamento parcelado pode ajudar bastante na conquista de bens importantes, porque não compromete seus rendimentos mensais. Só tenha o cuidado de organizar bem as contas, para que a fatura do cartão de crédito não extrapole demais o seu planejamento.

Uma boa dica é anotar não somente o valor total da fatura, mas o valor de cada item que compõe a fatura. Isso pode ajudar a ter melhor controle dos seus gastos.

E aí, gostou das nossas dicas de finanças pessoais? Então confira nossas dicas de como montar uma boa planilha de gastos, para que você mantenha sua vida financeira sob controle.

E pensando em fazer um consórcio? Faça uma simulação agora mesmo.
Simulação Consórcio


chat Eva