Guia definitivo sobre finanças pessoais

Guia definitivo sobre finanças pessoais

Embora algumas pessoas pensem que dinheiro é um tabu, outras acham difícil controlar o orçamento e fazer tudo até o final do mês. Também temos um terceiro grupo, formado por pessoas que não fazem nenhuma verificação, mas têm contas atualizadas - isso ainda é arriscado, não é?

Independentemente do seu perfil pessoal, controlar o seu orçamento é um aspecto fundamental para garantir a sua saúde financeira (e de toda a família, se for o caso). Além de escapar de uma situação tensa, é assim que você consegue planejar e atingir seus objetivos.

O que são finanças pessoais?

Finanças pessoais é o nome de um método específico de gestão financeira, e seu principal objetivo é aplicar a teoria e a prática financeiras aos negócios financeiros de uma única pessoa ou de um único núcleo familiar. Em outras palavras, o campo nos permite entender como as pessoas usam o dinheiro e se organizam em relação a ele.

As finanças pessoais nada mais são do que a pesquisa e a prática de aplicativos que auxiliam no gerenciamento de despesas de indivíduos e até de grupos familiares. Esses despesas podem ser:

  • Essenciais: como moradia, alimentação, transporte, saúde, educação, etc;
  • Desejos pessoais: envolvendo mais despesas extras, como roupas da moda ou telefones celulares, etc;
  • Investimento ou pagamento de dívida: a categoria que se concentra em alcançar objetivos financeiros.

Agora, há até cientistas fazendo pesquisas sérias e complexas, apenas para entender por que gastamos dinheiro, e como investimos ele. Mesmo aqueles que não investem (e por que o fazem) estão sendo estudados.

Na vida diária, tendemos a acreditar que nossas decisões não terão um impacto significativo. No entanto, sair com amigos além dos limites que você estabeleceu para gastos de lazer também pode fazer com que outros aspectos do seu orçamento explodam (a famosa desculpa "você só vive uma vez").

Quando chega a sua fatura do cartão de crédito ou ocorre uma emergência (como um acidente), a mesma falta de controle pode se transformar em desespero, exigindo mais dinheiro do que você ganha.

O desespero leva as pessoas a endividar-se com os bancos e, à medida que o risco de inadimplência aumenta, elas pagam taxas de juros cada vez mais altas. Com muitas dívidas, é improvável que você continue gastando demais, o que reverterá os padrões de consumo e desacelerará o crescimento econômico.

Quão importante é a gestão financeira pessoal

Quando olhamos pela ótica de uma empresa, a gestão está relacionada à organização de todos os processos e operações. Alguns objetivos devem ser alcançados e tudo deve ser controlado para que isso seja possível. Portanto, os gestores adotam estratégias e caminhos, e os funcionários cooperam para atingir as metas.

O mesmo princípio se aplica ao gerenciamento de finanças pessoais. Começa com a compreensão de como o dinheiro é usado, aplicando práticas de gestão, mudando hábitos e adotando ferramentas de controle.

Portanto, assim como em uma empresa, é importante que você controle suas atividades para atingir seus objetivos. Se você não administrar suas finanças, não saberá quanto dinheiro ganhou, quanto gastou ou para onde foram seus recursos.

É por isso que o dinheiro acaba, mas o mês não. Nesse caso, dificilmente haverá capital diário suficiente, quanto menos economias e investimentos.

Como saber se suas finanças pessoais estão em boa forma?

Segundo levantamento da CNDL, 45% dos brasileiros desconhecem sua situação financeira. Além disso, 34% das pessoas não exercem esse controle devido à total falta de disciplina.

Isso mostra que ainda temos um longo caminho a percorrer na gestão das finanças pessoais. O primeiro passo é entender como você administra seus fundos.

Liste todas as suas receitas e despesas

Primeiro, mapeie todas as suas despesas e receitas. Isso inclui salários, renda adicional, pensões, bolsas de estudo, contas de casa, hipotecas, pensões, aluguéis, seguro de vida, etc.

Você também precisa controlar todas as suas despesas diárias, desde a compra de biscoitos simples até a compra de roupas e eletrônicos. Dessa forma, você pode controlar com precisão como os recursos são implantados.

Pense neste mapeamento como uma forma de entender o dinheiro que você investiu no início do mês. Este é o famoso "jogue a conta na mesa" para ter uma visão panorâmica do desafio.

Categorize suas despesas

A segunda etapa é separar suas despesas em categorias. Por exemplo:

• Alimentos (café, lanches, restaurantes, etc.);

• Contas da casa (energia, internet, água);

• Habitação (aluguel, financiamento imobiliário, taxas de apartamento);

• Lazer (cinema, teatro, jogos, etc.).

Organizando seus gastos dessa forma, você poderá entender seus gastos em cada categoria e entender com mais facilidade qual categoria tem mais impacto em seu orçamento.

Por exemplo, você também pode começar a refletir sobre o peso de cada perfil de gasto para ver quais são prioritários e quais são redundantes.

Avalie suas dívidas

Calcule dívidas e entenda seu impacto em seu orçamento mensal. Suas dívidas afetam seu padrão de vida?  

A resposta a essa pergunta pode indicar que você precisa renegociar parte de sua dívida para fazer todos os pagamentos. Acredite, a renegociação precisa urgentemente se tornar um hábito dos brasileiros!

Verifique sua economia

Para avaliar suas finanças pessoais, avalie quanto você pode economizar a cada mês, ou se você pode economizar alguma coisa.

A poupança é muito importante para você atingir seus objetivos e proporcionar a você e sua família maior segurança financeira. Aqui está um slogan: A prosperidade não depende de quanto você ganha, mas de quanto você economiza!

Quais são os principais mal-entendidos sobre finanças pessoais na vida diária

Se você está endividado, não pode pagar suas contas e não há nada para salvar. O que pode estar errado? Consulte os tópicos a seguir e veja alguns dos erros que a maioria das pessoas comete ao administrar as finanças.

Não rastrear todas as despesas

Não basta registrar despesas fixas mensais, é necessário monitorar o fluxo das despesas ao longo do mês.

Normalmente, é a pequena saída não registrada que faz a diferença. Somente entendendo-os você pode mudar seus hábitos de consumo.

Por exemplo, quando monitoram seus gastos com mais rigor, as pessoas geralmente ficam surpresas ao descobrir, por exemplo, a quantidade de dinheiro gasta em um café a cada mês em uma cafeteria da moda.

Nenhuma meta financeira definida

Se não houver uma meta, você não saberá que caminho seguir. Como tudo na vida, pessoas sem objetivo são suscetíveis a oportunidades. No entanto, no setor financeiro, o "bom humor" costuma não dar bons resultados.

Metas financeiras são um fator motivador que mantém as finanças de sua família atualizadas e sempre toma as melhores decisões de investimento.

Abuso de crédito

Um cartão de crédito pode ser um grande aliado para equilibrar suas finanças e adquirir itens importantes. Por outro lado, quando abusado, pode causar muitas dores de cabeça.

O fato é que há tantas pessoas que não entendem como funciona esse tipo de processo de pagamento e acabam acumulando parcelas, o que pressiona muito o orçamento mensal.

Portanto, o ideal é escolher à vista para comprar. Se precisar parcelar, é importante planejar esse valor nos próximos meses.

Tome decisões financeiras sem calcular o impacto

As decisões financeiras podem ser a compra de ativos de maior valor, investimentos ou contas de poupança. Por exemplo, ao decidir sobre um empréstimo, é importante considerar como isso afetará seu orçamento de médio a longo prazo.

Agora, como você evita esses erros e garante que pode controlar suas despesas e receitas? Lembra da tecnologia e das finanças comportamentais? Nos tópicos a seguir, forneceremos algumas dicas com base nesses ramos.

Por onde começar a organizar suas finanças pessoais?

Começar a organizar finanças pessoais não é fácil. Então, aqui estão algumas dicas para ajudá-lo a começar:

  • Leia sobre o assunto - o que você já está fazendo aqui - e desfrute de uma quantidade incrível de material audiovisual na Internet;
  • Reflita sobre seus padrões de consumo e despesas. Na correria do dia a dia, é normal não ter tempo para rever hábitos que parecem profundamente arraigados;
  • Pense em compras por impulso. Eles são os maiores ativos do mercado, mas se você realmente quer controlar seu dinheiro, você precisa começar a reduzi-los;
  • Assuma a sua gestão financeira como se estivesse a trabalhar na área administrativa da empresa. Crie processos e rotinas para não se deixar abater pelas oportunidades;
  • Arquive suas contas mês a mês para registrar o histórico e ser capaz de compreender intuitivamente seu progresso na redução da dívida.

Como organizar melhor suas finanças pessoais

A seguir estão algumas dicas práticas para organizar finanças pessoais:

  • Conheça as práticas do seu banco: saiba quais taxas são cobradas, quais receitas você pode obter, etc. Isso o ajudará a avaliar se é possível mudar para uma instituição financeira com melhores condições;
  • Avalie a real necessidade de múltiplos cartões de crédito: Como dissemos, o uso indevido de cartões de crédito é um erro muito comum. Você é uma das pessoas com mais de um cartão? Que tal focar tudo em um provedor de crédito e solicitar um limite mais alto? Essa mudança permite um melhor controle e facilita a redução dessas transações financeiras;
  • Crie um orçamento total e sub orçamentos: saiba exatamente quanto dinheiro está disponível e para que deve ser usado, e separe cada tipo de despesa. Por exemplo, você pode fazer uma lista de compras de supermercado dentro de um determinado valor e segui-la para evitar compras por impulso;
  • Procure fornecedores com preços mais atrativos: Você pode se surpreender com a qualidade de outras empresas que cobram tarifas mais baixas pelos mesmos produtos e serviços. A "lealdade" a certas marcas também é um hábito das estratégias de marketing muito propício à exploração do mercado.

Como controlar suas finanças pessoais todos os dias?

A gestão financeira pessoal envolve a mudança de muitos hábitos e métodos de aprendizagem que recuperam essa tarefa.  

Anote tudo

Como vimos, o registro é muito importante, seja em um notebook ou usando métodos mais avançados, como planilhas e aplicativos. Todas as suas transações, especialmente taxas, precisam ser classificadas.

Recomenda-se que o custo de itens básicos como moradia, transporte e mercados representem até 50% de sua renda. Dessa forma, apenas metade da receita será destinada às despesas básicas, o que proporcionará maior proteção a você e sua família.

Mas quando falamos em gravar tudo, é importante anotar tudo, por menor que seja o custo. No início, essa tarefa é difícil, mas com o tempo você será capaz de desenvolver esse hábito, principalmente ao perceber o impacto que isso tem no seu orçamento.

Elimine despesas desnecessárias

Depois que tudo estiver cadastrado, é hora de avaliar quais taxas são desnecessárias e estão pressionando no bolso.

Por exemplo, você pode estar pagando por um pacote de TV paga, mas sua família só consome conteúdo de streaming pela Internet. Ou sua conta telefônica pode ser muito alta porque inclui serviços de chamadas que você nem usa.

Veja as várias fontes de desperdício. Você não conseguirá perceber até registrar as despesas por escrito? Faça esta análise para economizar dinheiro em casa!

Mudar hábitos de consumo

Por um lado, se determinados itens podem ser desnecessários e você pode descartá-los, por outro lado, algumas atividades podem ser substituídas por opções mais baratas ou mesmo gratuitas.

Por exemplo, você pode ir à academia sem gastar dinheiro, mas pode participar de atividades ao ar livre, incluindo caminhada, corrida ou exercícios em grupo na praia ou praça.

Outro hábito potencialmente caro é comer fora - ou pedir um aplicativo de entrega rápida. Em vez de gastar todos os dias com comida pronta, algumas pessoas optam por almoçar em um restaurante do trabalho ou levar comida fora de casa. Esses alimentos podem ser facilmente aquecidos no forno de microondas da empresa - claro, isso depende da estrutura do local de trabalho.

Analise suas despesas e despesas diárias e determine quais podem ser mais acessíveis.

Pague suas dívidas

Se você não eliminar a dívida, será difícil equilibrar seu orçamento. Portanto, considere as duas ações importantes a seguir: encontre uma maneira de eliminar o acúmulo e evitar mais dívidas. Depois de pagar todas as dívidas, siga as etapas detalhadas abaixo:

  • Priorizar dívidas: algumas contas são mais pesadas e urgentes do que outras. Por exemplo, acúmulos recorrentes de cartões de crédito podem crescer como uma bola de neve. Portanto, deve ser resolvido a tempo. Siga este princípio básico e você saberá por onde começar;
  • Saiba quanto você pode pagar: antes de negociar dívidas com seus credores, avalie suas finanças pessoais e descubra que parte de sua renda mensal pode ser usada para quitar dívidas. Afinal, é inútil chegar a um acordo sobre um valor com uma instituição financeira e depois cair novamente no default. Além disso, pense nos argumentos que você não perderá ao negociar;
  • Renegociação de dívidas: você quer sair da dívida, certo? Seu credor também deseja desesperadamente receber o dinheiro de volta. Isso significa que ele também estará interessado em negociar e aceitar ofertas viáveis ​​para ambas as partes - não se esqueça disso para não correr o risco de fechar um negócio que é muito pesado para você e sua família.
  • Pague dívidas maiores com dívidas menores: como dissemos, algumas dívidas podem ser mais pesadas do que outras. Com isso em mente, considere contrair dívidas a juros baixos que podem cobrir dívidas mais ativas. Por exemplo, pagar empréstimos pode ser mais leve do que arcar com o ônus dos juros acumulados de ciclos de cartão de crédito ou cheque especial - eles estão crescendo a cada mês!

Formação de reservas de emergência

É comum que as pessoas fiquem muito endividadas devido a eventos imprevistos, como desemprego e doenças graves. A Reserva de Emergência é um recurso que pode ajudar a resolver esses problemas sem danificar completamente a conta.

Defina um prazo realista

Você também precisa analisar quanto tempo leva para criar esse fundo. Dependerá de quanto dinheiro você pode fornecer para investimento a cada mês. Você pode começar com um valor menor e aumentá-lo gradualmente.

Considere o tipo de investimento

Para fundos emergenciais, é importante considerar uma modalidade de aplicação com liquidez diária, ou seja, uma aplicação que pode ser resgatada a qualquer dia em que o investidor precisar. Além disso, deve encontrar um equilíbrio entre risco baixo e bons retornos.

Tendo em vista essas características, além da economia, também é possível optar por CDB (certificado de depósito bancário) e alguns fundos DI (referem-se a fundos de renda fixa).

Por exemplo, o CDB é garantido pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito). Portanto, se uma instituição financeira entrar em falência, o investidor sacará até 250 mil reais.

Escolha dinheiro para comprar

Existem várias vantagens em comprar à vista. Em primeiro lugar, é mais fácil de gerenciar porque é uma única transação financeira, geralmente dentro do mês de acumulação. Em segundo lugar, é possível obter descontos substanciais.

Por exemplo, hoje, muitas lojas online oferecem um desconto de cerca de 10% sobre os recibos bancários - isso é uma grande economia, não é?

Planeje suas despesas

Além de usar despesas fixas por escrito para planejamento financeiro, você também pode definir limites de gastos por categoria. Pense em cada categoria como um envelope contendo um valor específico - as empresas chamam esses "centros de custo".

Por exemplo, suponha que você limite suas despesas mensais de lazer a $100. Quando o custo se aproxima desse valor, você precisa fazer um seguro até o próximo mês.

Reavalie seus hábitos

Os registros que você fizer funcionarão como um painel de controle, o que significa que não resolverão seus problemas financeiros, mas servirão como um repositório para suas decisões.

Portanto, é sempre importante verificar seus gastos e ver o que precisa ser alterado no final de cada semana e mês.

Você excedeu os limites de uma determinada categoria? Qual é a razão? Talvez você possa compensar isso reduzindo outros tipos de despesas ou mudando pequenos hábitos de gastos.

Claro, você precisa gerenciar muitos dados. Portanto, é essencial ter algumas ferramentas técnicas. A boa notícia é que eles nunca estiveram disponíveis como hoje, conforme mostrado abaixo!

Quais são os melhores aplicativos e planilhas de finanças pessoais

Aqui estão nossas dicas sobre aplicativos e planilhas, você pode usar essas dicas para gerenciar melhor suas finanças pessoais!

Planilhas

Para quem deixa suas anotações em um caderno e quer algo mais detalhado, o próximo passo geralmente é usar uma planilha. Se você não sabe como criar uma planilha no Excel, não tem problema.

Existem várias opções gratuitas de planilhas de orçamento pessoal na Internet para você baixar e preencher com base em suas despesas e receitas.

Eles são mais simples do que os aplicativos, mas podem atingir um nível muito satisfatório de automação e controle. Além disso, são muito flexíveis, podendo ser personalizados de acordo com as suas necessidades.

Planilha de Excel Controle Financeiro (BM&F Bovespa)

Para quem não sabe muito sobre fórmulas e regras de formatação de planilhas, essa é a escolha ideal para controlar seus fundos com mais facilidade. Este tipo de planilha funciona da mesma forma que manter os registros financeiros de algumas pessoas em um caderno, entrando e saindo de dinheiro. Por exemplo, uma vez que não é tão detalhado, os dados variáveis ​​não podem ser registrados. Mas para aqueles que estão apenas começando a controlar fundos, esta é uma boa escolha.

Planilha de controle financeiro mensal detalhada

Qualquer pessoa que deseja acompanhar os gastos mensais em detalhes pode usar esta planilha como um poderoso aliado para obter uma compreensão mais ampla de suas finanças.  

Esse tipo de planilha de controle de despesas permite que você analise o acompanhamento durante o mês e como ele reflete o conteúdo das economias e despesas ao longo do ano.

Aplicativo

Os aplicativos financeiros são mais interativos, fornecem aos usuários funções muito interessantes e reduzem muito o tempo de gerenciamento de contas. Encontre abaixo os principais produtos do mercado.

GuiaBolso

O GuiaBolso está disponível para iOS e Android e costuma ser a primeira opção de aplicação financeira que vem à cabeça. É totalmente gratuito e é conhecido por sua capacidade de sincronizar automaticamente suas transações bancárias e extratos de cartão de crédito.

Mobills  

Também é uma ótima escolha para usuários de sistemas iOS e Android. Inclui recursos pagos, mas o modelo gratuito não fica atrás da concorrência.

Além de ser muito flexível para entrada manual, o aplicativo também possui uma interface limpa e intuitiva. Tudo pode ser gerenciado por meio de gráficos bem desenhados e muito práticos.

Organizze  

À semelhança da aplicação anterior, Organizze também possui uma versão avançada, que abre a possibilidade de gerir múltiplas contas.

A versão gratuita do aplicativo está disponível para iOS e Android, existe apenas uma conta para organizar todas as suas despesas e receitas, mas isso não deve ser um problema para usuários novatos e usuários com operações mais simples.

Minhas economias

Minhas Economias é uma aplicação de gestão financeira pessoal prática, intuitiva, leve e rápida, que pode funcionar sem problemas em apenas alguns minutos.

Este aplicativo é totalmente gratuito e pode ser baixado do Google Play e iTunes. Tem uma função de lembrete para ajudá-lo a não se esquecer de pagar suas contas e salvar suas informações na nuvem - para que você não corra o risco de perder seus dados.

Aprenda como é importante economizar e investir

Até agora, tudo o que dissemos é muito prático, mas pode não funcionar se você não educar sobre como economizar e investir.

Basicamente, você tem que economizar porque não pode prever o futuro e investir para que o dinheiro economizado possa se tornar ativo e gerar mais receita - essa combinação pode ajudá-lo a obter segurança financeira e fornecer uma rede de proteção em caso de emergência. Aqui estão algumas razões para trabalhar nesta direção:

  • Amortecedor de emergência: circunstâncias imprevistas podem ocorrer para qualquer pessoa, como a necessidade de se aposentar, problemas de saúde e desemprego. É bom ter uma reserva de caixa de emergência para não precisar de empréstimos com juros altos, certo?
  • Longevidade: com o avanço da medicina e da saúde pública, a expectativa de vida no Brasil vem aumentando a cada ano.
  • Aposentar-se: você planeja se aposentar um dia, certo? Você precisará de economias e investimentos para repor a renda que não ganha mais com o trabalho;
  • A volatilidade da seguridade social: a seguridade social nunca pretendeu ser a principal fonte de renda, mas deve ser vista como um complemento. As mudanças demográficas indicam que continuará a realizar reformas no futuro. Claro, quando você ficar velho, não vai querer depender apenas dela!

Em suma, você está aberto a todos os tipos de riscos, sem economizar dinheiro e investir. Comece a economizar e investir, para que você possa sentar e relaxar.

Se você gostou deste artigo, confira também um guia para as finanças não saírem do controle. Continue acompanhando o blog da Embracon.

Simulação
chat Eva