O que é o SPC/Serasa e como ele influencia na sua vida financeira?

O que é o SPC/Serasa e como ele influencia na sua vida financeira?

Muitas pessoas, ao se deparar com o nome SPC/Serasa, já ficam assustadas: afinal, geralmente a empresa está associada ao endividamento, um problema bastante corrente hoje no Brasil.

Com a pandemia de Covid-19, esse problema tem se agravado ainda mais. De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), só em 2020 mais de 66% dos brasileiros fecharam o ano com algum tipo de endividamento, atingindo o maior patamar em mais de 10 anos. Entre os motivos citados, as maiores fontes de dívida são cartão de crédito (78,7%), carnê (16,8%), financiamento de carro (10,7%), financiamento de casa (9,5%) e crédito para uso pessoal (8,5%).

A retração econômica que surgiu como consequência do isolamento social tem uma parcela importante nesses números apresentados, mas o fato é que o Brasil tem um longo desafio pela frente quando o assunto é educação financeira.

De qualquer forma, o trabalho do SPC e do Serasa são bem importantes quando o assunto é crédito pessoal, porque as empresas ajudam a fornecer as informações necessárias para que as instituições financeiras possam conceder ou não algum tipo de empréstimo ou facilitação, por exemplo. No entanto, existem diferenças entre as duas empresas.  

Vamos começar explicando essa distinção e, em seguida, mostrar como elas influenciam em sua vida financeira.

Qual a diferença entre o SPC e o Serasa?

Tanto SPC quanto Serasa conseguem acompanhar as compras, se você é um bom pagador e ajudam os bancos a tomarem decisões importantes sobre concessão de crédito, uma vez que possuem um amplo histórico das transações dos cidadãos brasileiros.

Porém, SPC e Serasa são duas instituições diferentes. Vamos explicar como funciona cada uma delas.

O que é e como funciona o SPC?

SPC é a sigla de Serviço de Proteção ao Crédito e possui um enorme banco de dados com informações de crédito da população. Seu sistema é bem amplo, tanto que consegue consultar o CPF de mais de 180 milhões de pessoas.

Suas informações são geridas e utilizadas pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas. Pela quantidade enorme de dados que possui, o SPC é geralmente consultado por cidadãos ou lojistas credenciados, sempre a partir das normas do Código de Defesa do Consumidor (CDC) - que permite tanto SPC quanto Serasa sempre fornecer as informações necessárias quando algum cidadão solicitar. Sempre que alguma empresa vai oferecer crédito para uma pessoa, acaba fazendo consulta diretamente ao SPC.

O SPC foi criado em 1955 por um grupo composto de 12 empresas. Para realizar a consulta de um CPF por meio do SPC, é necessário ir ao balcão da Entidade ou adquirir créditos para consultar no SPC Net.

O que é e como funciona o Serasa?

Atualmente conhecida como Serasa Experian, a instituição é um órgão de consulta de crédito que foi criada por conta da parceria entre a Associação de Bancos do Estado de São Paulo (Assobesp) e a Federação Brasileira das Associações de Bancos (Febraban). Ainda assim, trata-se de uma empresa privada, criada em 1968, e que atualmente é controlada pelo Grupo Experian.

Por ter sido criada por bancos, naturalmente a Serasa é a referência para que as instituições financeiras realizem consulta dos CPFs dos cidadãos. Na prática, trata-se de um banco de dados diferente do SPC, por exemplo.  

Também é possível consultar dados pessoais dos cidadãos, como nome, endereço, data de nascimento e para saber se o nome está ou não negativado.

Atualmente, é possível fazer uma consulta gratuita pelo Serasa, por meio de seus serviços em site e aplicativo. Inclusive, é possível escolher diferentes planos, para ter acesso mais completo às suas informações pessoais.

Entre suas funções, a Serasa tem registro completo sobre dívidas e uma área exclusiva para pessoas físicas: o Serasa Consumidor, que permite a verificação de seu nome, para saber se está negativado, consultar score e acompanhar em quais empresas seu nome aparece.

Pelo Serasa Consumidor, apenas o dono do CPF pode consultar sua situação. Porém, o Serasa possui um serviço que atende a empresas que possuem parcerias com as chamadas birôs de crédito, que são empresas como a própria Serasa, SPC, Boa Vista, entre outras.  

As empresas que possuem essas parcerias conseguem fazer a consulta de um CPF, por exemplo, apenas informando o nome completo da pessoa. Esse serviço é exclusivamente voltado para realizar análise de crédito dos consumidores, e ajuda na tomada de decisão de bancos e demais empresas na concessão de crédito.  

Por que SPC e Serasa são diferentes

Agora que você conhece um pouco mais sobre as duas empresas, deve estar com a seguinte dúvida: qual a diferença de cada uma delas?

A principal diferença está na fonte de dados de cada uma das empresas. Enquanto o SPC utiliza dados de lojistas credenciados, a Serasa puxa seus dados a partir dos bancos e das instituições financeiras.

O Serasa facilita a consulta de CPF por meio de sua aplicação online, enquanto o SPC exige ida presencial ao balcão de atendimento para permitir a consulta das duas informações de crédito (basta levar CPF e documento com foto para essa verificação).

Mas, você sabe como essas empresas afetam diretamente em sua vida financeira? Confira os detalhes a seguir.

Influência do SPC e do Serasa na sua vida

Quem já partiu para pedir algum empréstimo no banco ou tentou comprar um bem de alto valor por meio do financiamento, como carro ou casa, por exemplo, certamente deve ter se deparado com uma análise de crédito que passa por SPC e Serasa.

Não é à toa que muitos ficam ‘assustados’ quando se deparam com o nome dessas empresas. Os registros e informações que elas possuem ajudam bastante no critério de aprovação de crédito, empréstimo ou compra de um bem.

Isso porque elas reúnem histórico de compras, de datas de pagamento, atrasos nas parcelas e mantêm registros de inadimplências, tanto em lojas quanto nos bancos.

Por isso mesmo, as empresas optam por fazer a consulta nas duas instituições, em busca de maior margem de entendimento da vida financeira do consumidor.

O que caracteriza um ‘nome sujo’

Nome sujo significa que o CPF de um indivíduo aparece como devedor de alguma dívida. Ele pode aparecer tanto no SPC, como no Serasa - tudo depende de onde ele ficou devendo.

Caso você tenha seu nome sujo, recebe uma carta em seu endereço citando a empresa que indicou seu nome. Na maioria dos casos, é preciso resolver a situação diretamente com a empresa em que está devendo.  

Porém, pode acontecer de a instituição transferir a sua dívida para uma empresa especializada em cobranças. Nesse caso, a empresa terceira ‘compra’ a dívida de onde você tem alguma pendência, e fica responsável por todo o processo de cobrança - que, em alguns casos, pode ser abusivo, com ligações sucessivas com o objetivo de forçar a uma decisão de renegociar a dívida.

Por meio do Serasa, você mesmo pode ‘limpar’ o seu nome. O sistema pela internet traz a listagem das empresas em que seu nome aparece como devedor e dá a oportunidade de negociar diretamente com as empresas. Além disso, existem os feirões de renegociação em algumas datas ao longo do ano, que podem ajudar a pagar por um valor mais justo por aquela dívida que você mantém com alguma instituição.

O SPC também permite que você limpe o seu nome. Porém, ela direciona a negociação diretamente com a empresa.  

Caso esteja com o nome sujo nessas instituições, o melhor a ser feito é se planejar para o pagamento da dívida. Elimine todos os gastos supérfluos, veja as ofertas das empresas em que está devendo e se organize para pagar o quanto antes. É sempre melhor pagar por todas as suas dívidas antes de qualquer tipo de investimento, para que tenha caminho livre para novas aquisições e não sofra com os juros de cada dívida, que podem aumentar bastante a médio e longo prazo.

Quais são as consequências de ficar com o nome sujo?

Uma das piores consequências de se ter nome sujo é a impossibilidade de comprar bens de alto valor.  

Por mais que você entre em uma modalidade como o consórcio, por exemplo, em que não existe burocracia para iniciar o pagamento de um bem, pode ficar comprometido na hora da contemplação.  

Nesse momento, a administradora faz uma nova análise de crédito dos seus bens, para certificar de que você irá se manter comprometido com as mensalidades restantes. Caso seja identificado que você esteja com o nome sujo, por exemplo, você não consegue prosseguir com a contemplação. Somente após resolver essa situação com SPC e Serasa (ou a empresa em que esteja devendo, obviamente), você poderá receber a carta de crédito.

Se estiver considerando o financiamento para a compra do seu bem, a situação se torna ainda mais complicada. Nenhuma instituição financeira libera empréstimo ou a compra de um bem se o consumidor estiver com o nome sujo. Isso porque o consumidor fica caracterizado como mau pagador, que pode gerar algum tipo de risco de inadimplência para a instituição.

Além disso, nenhuma instituição libera cartão de crédito para quem está com o nome sujo na praça. Caso alguma instituição financeira perceba essa indicação, pode acontecer de reduzir drasticamente ou até mesmo tirar o limite que possui do seu cartão - o que pode prejudicar bastante, principalmente se você tiver o hábito de comprar parcelado.

Quem já teve o nome indicado nos órgãos de proteção ao crédito certamente teve que passar por uma longa jornada até conseguir ter novas aprovações de linhas de crédito ou mesmo para aumentar o score. Tudo isso por conta dos registros que são realizados pelo SPC e pelo Serasa de tudo que você compra, paga ou deixa de pagar.

Por quanto tempo fico com meu nome sujo no SPC e no Serasa

Até que você realize o pagamento das dívidas pendentes, seu nome permanece como ‘sujo’ nos órgãos de proteção ao crédito.

Digamos que você esteja passando pela situação de ter o seu nome indicado no SPC e no Serasa. A melhor forma de lidar com isso é negociando diretamente com as empresas (ou terceiros responsáveis pela dívida, caso isso aconteça). Por exemplo: você tem uma dívida de R$ 10 mil e, pelas suas contas, percebeu que pode pagar cerca de R$ 1.000 por mês. Ao negociar com a empresa este valor, assim que fizer o primeiro pagamento do acordo, ela já entra em contato com SPC ou Serasa, informando que ela está sendo paga.

Assim, ela já tira o seu nome da lista (isso acontece em até cinco dias úteis). Ou seja, se estiver com uma dívida em pagamento, seu nome não fica mais sujo, e o seu score pode subir normalmente. Porém, caso deixe de pagar por alguma prestação da dívida, por exemplo, a empresa pode inserir seu nome novamente nesses órgãos. Portanto, ao renegociar uma dívida, tenha o cuidado de se comprometer com o pagamento, para não ficar com o nome sujo novamente.

Se a dívida não for paga em até cinco anos, o SPC e o Serasa realizam a exclusão automática do seu nome em seus cadastros. Porém, você continua com restrições para uso do seu nome para concessão de qualquer tipo de crédito.

A contagem é feita a partir do vencimento da conta. Na prática, seria quando o consumidor informa que faria o pagamento da dívida, mas deixa de fazê-lo. Após essa data, o credor, ou seja, a empresa para qual o consumidor está devendo, não pode fazer nenhuma cobrança judicial da dívida. Por outro lado, ela pode continuar com o processo aberto com o consumidor, limitando qualquer tipo de concessão ou facilitação de crédito.

Como funcionam os scores do SPC e do Serasa

Tanto o Serasa quanto o SPC possuem sistemas de pontuação que permitem classificar o consumidor pode ser considerado um bom pagador ou não. Elas possuem um sistema diferente de pontuação, mas baseado em critérios muito semelhantes.

As duas instituições acompanham todo o perfil de pagamento dos consumidores: se paga na data correta, se já teve algum problema com inadimplência, problemas com CPF ou até mesmo se você possui empréstimo em andamento com algum banco.

Quanto maior a sua numeração nos scores, mais você é identificado como bom pagador.

Confira alguns pontos que influenciam no seu score:

  • Histórico financeiro: por meio do Cadastro Positivo, um sistema acompanhado pelo Governo Federal para entender se você paga as suas contas, tanto SPC quanto Serasa analisam os seus pagamentos, puxando todo o seu histórico de dívidas que são enviadas pelos credores nos últimos 5 anos. Se você passou por alguma dívida que atrasou ou deixou de pagar, por exemplo, muito provavelmente isso irá afetar seu score.
  • Pagamento do cartão de crédito: é muito importante pagar os seus cartões de crédito na data de vencimento. Caso contrário, os bancos enviam o registro para o Serasa, o que pode afetar seu score de maneira geral.
  • Compromisso com crédito: se você tiver feito algum tipo de empréstimo, financiamento ou até mesmo contratado maior limite de cartão de crédito, isso também deve afetar seu score. Portanto, mantenha sempre o pagamento das suas contas em dia, para não diminuir a sua pontuação.
  • Evolução da sua saúde financeira: seu score á a avaliação do todo, ou seja, se você tem bons registros há muito tempo como bom pagador, muito provavelmente a sua pontuação ficará em um patamar alto.

Outros pontos podem entrar na equação de um score. O importante a saber é que SPC e Serasa possuem bancos de dados diferentes, ou seja, criam sua classificação a partir do que têm à disposição.

Por isso mesmo, pode ser que você tenha uma pontuação maior em uma das instituições do que em outra.  

Outro birô de crédito que também possui um sistema de pontuação é o Boa Vista, que também armazena dados de consumidores há mais de 60 anos. É comum que as pontuações sejam aproximadas, mas ainda assim diferentes.

E vale lembrar que elas servem como base para que as instituições financeiras cedam algum tipo de crédito ou financiamento. Os bancos possuem outro tipo de score, que leva em consideração os dados do SPC e do Serasa, mas que funciona de forma independente. Afinal, os bancos têm mais dados sobre você, como movimentação financeira, pagamento de boletos e cartões, entre outros. Por conta disso, eles acabam criando um outro padrão para compor o que é o seu score.

Ainda assim, é importante acompanhar sua pontuação no SPC e no Serasa, para ter uma ideia de como anda a sua pontuação e tomar alguma ação para melhorar a sua vida financeira. As regras para manter uma boa pontuação são muito parecidas em todas as instituições e envolvem ser um bom pagador, estar com as contas em dia e manter um bom planejamento financeiro.

Como funciona o sistema de pontuação

A maioria das instituições utiliza um sistema de 0 a 1.000 pontos. Quanto maior a sua pontuação, maior é o seu score com os birôs de crédito e, consequentemente, maior a propensão de conseguir boas linhas de crédito com as instituições financeiras.

Confira a seguir as faixas de score, para ter uma ideia se você é um bom pagador ou não:

  • Faixa de 0 a 399 pontos: pessoas nessa faixa são consideradas inadimplentes. De acordo com o Serasa, dos consumidores que estão dentro dessa faixa, somente 30% costumam pagar as dívidas em dia. Portanto, se este for o seu caso, fique atento. Você pode ter tido alguma dificuldade em organizar as suas dívidas e finanças e precisa mudar seu comportamento em relação aos gastos.
  • Faixa de 400 a 599 pontos: nessa faixa, a situação já começa a melhorar um pouco mais. Por mais que seja uma faixa de difícil concessão de crédito, as instituições que se deparam com um score nessa faixa veem o consumidor com 50% de propensão de pagar as contas em dia.
  • Faixa de 600 a 799 pontos: nessa faixa, as instituições já se sentem mais à vontade para fazer algum tipo de liberação de crédito. De acordo com a Serasa, 70% das pessoas que ficam dentro dessa faixa são consideradas boas pagadoras, o que gera uma ‘segurança’ para os credores.
  • Faixa de 800 a 1.000 pontos: quem possui mais de 800 de crédito é considerado um ótimo pagador e pode ter crédito mais facilitado. Dessa faixa, 9 em cada 10 pessoas honram com seus compromissos mensalmente e podem se deparar com boas oportunidades.

SPC e Serasa afetam o seu consórcio?

Como deu para perceber, SPC e Serasa possuem sistemas bem completos, com dados de todos os consumidores que ajudam as empresas na tomada de decisão. Embora seus critérios sejam importantes para as instituições, a partir do momento que você é um bom pagador e está com suas contas em dia, naturalmente sua pontuação irá se manter alta.

Ao fechar um contrato de consórcio, por exemplo, as administradoras não avaliam se o consumidor está ou não com o nome sujo. Portanto, não existe nenhum tipo de burocracia para começar a investir em seu sonho com a compra de um automóvel, imóvel ou serviço por meio do consórcio.

No momento da contemplação, porém, a administradora faz uma análise de crédito do consorciado, principalmente se tiver ainda com saldo devedor da cota. Pode acontecer do consorciado quitar o consórcio com a oferta de um lance, por exemplo, o que torna o processo menos burocrático.  

Mas, se tiver sido sorteado ou se o lance ainda não tiver quitado a cota, a administradora faz uma análise de crédito que leva em consideração as pontuações do SPC e do Serasa. Caso o seu score esteja baixo, pode ser que a administradora peça a indicação de um devedor solidário, que irá compartilhar a responsabilidade da dívida. Seja transparente com a pessoa que for indicar, afinal, ela pode ser cobrada caso o consorciado se torne um inadimplente após a contemplação.

Portanto, acompanhe o seu sistema de pontuação e mantenha-se organizado com as suas finanças, para manter um bom score e conseguir boas oportunidades.  

Quer uma dica para começar? Leia nosso post sobre como iniciar o seu planejamento financeiro.

Simulação
chat Eva