Consórcio de carro e casa: qual a diferença?

Consórcio de carro e casa: qual a diferença?

Por muitos anos, o consórcio ficou conhecido como uma forma de possibilitar a compra de um novo carro. Isso porque sua história se confunde com a história do veículo popular no Brasil.  

Em meados dos anos 1950, funcionários do Banco do Brasil se juntaram para formar o primeiro grupo de consórcio, com o objetivo de possibilitar a compra do desejado carro popular. O modelo deu tão certo, que logo as concessionárias e instituições financeiras ofertaram essa possibilidade como compra, dando a milhões de brasileiros a chance de realizarem o sonho do seu primeiro veículo

Com o passar dos anos, o consórcio foi se modernizando, dando a possibilidade de investir em outros tipos de bens. Logo, as pessoas puderam contar com a modalidade para comprar eletrodomésticos, os famosos videocassetes, entre outros itens considerados caros para o bolso do consumidor médio. 

Foi somente na década de 1990, com maior regularização do setor - que passou a entrar na mesma categoria das instituições financeiras, que são reguladas pelo Banco Central do Brasil (Bacen) - que as administradoras passaram a trabalhar com a possibilidade de consórcio de imóveis. 

Essa possibilidade atraiu muitas pessoas, que não queriam depender dos altos juros praticados pelo financiamento. Com planejamento e flexibilidade, o consórcio permitiu que milhões de pessoas pudessem comprar seu primeiro imóvel ou até mesmo investir na ampliação de seu patrimônio, com a compra de casa na praia, no campo, sítios, entre outros tipos de imóvel. 

Mas, o que diferencia o consórcio de carro e de casa? A seguir, vamos explicar o que é o consórcio para, depois, mostrar as especificidades de cada um deles. 

Como funciona o consórcio 

O consórcio é uma forma de investir em um bem a longo prazo. Você seleciona o bem que deseja comprar e pode realizar o processo de simulação, para identificar o melhor valor de mensalidade a ser pago. 

Antes de tudo, é preciso escolher uma administradora de confiança, que tenha autorização do Bacen para operar. A Embracon, por exemplo, tem mais de 30 anos de história, ajudando milhões de pessoas a realizarem seus sonhos por meio do consórcio. 

No processo de simulação, é preciso escolher o bem que deseja comprar. Além de carro e casa, você pode contar com o consórcio para veículos pesados, motos e diferentes tipos de serviços.  

Cada categoria possui um limite de carta de crédito e de mensalidades, considerando o valor final do bem. Para o consórcio de automóveis, por exemplo, o valor máximo de carta de crédito é de R$ 100 mil - já para consórcio de imóveis, este valor é de R$ 500 mil. 

Caso tenha interesse na compra de um bem com valor superior ao limite de carta de crédito, é possível investir em mais de uma cota de consórcio

Pelo consórcio, você não sai com o bem de imediato, como acontece com o financiamento e a compra à vista, por exemplo. Na verdade, você investe no valor da carta de crédito e tem a possibilidade de dividir o valor de forma que facilite o seu planejamento financeiro

É possível fazer a simulação do seu bem quantas vezes for necessário. Essa etapa existe justamente para que você identifique um valor de mensalidade que caiba em seu bolso. Para evitar qualquer tipo de inadimplência, as administradoras não permitem que as mensalidades ultrapassem 30% dos rendimentos mensais do consorciado. 

Isso porque, pelo consórcio, as pessoas são divididas em grupos, a partir de interesses em comum. Por exemplo, ao investir em um consórcio de imóveis, você estará em um grupo com consorciados que também têm interesse na compra de uma casa ou apartamento.  

Ao fechar o contrato, você ingressa em um grupo e participa das assembleias, que são os momentos em que as contemplações acontecem.  

É possível ser contemplado de duas formas por meio do consórcio: com os sorteios mensais, em que todos os pagantes estão elegíveis, ou com a oferta de um lance, que é um valor a mais que cada um pode tentar. O maior valor de lance define o contemplado por meio do lance livre, que é a modalidade mais praticada nos grupos de consórcio. 

Ao ser contemplado, é necessário passar pela análise de crédito. Nesse momento, a administradora faz a checagem de seus dados pessoais, comprovante de renda e consulta nos órgãos de proteção ao crédito, a fim de garantir que o contemplado continue pagando as mensalidades do consórcio mesmo quando tiver com o bem em mãos.  

Se for aprovado, você tem acesso à carta de crédito, que permite a compra do bem que você selecionou. Como ela possui poder de compra à vista, é possível negociar com o proprietário ou a empresa responsável pelo bem a melhor forma de compra. Quem sabe você não consegue um bom desconto na transação? 

Caso o valor da sua carta de crédito seja superior ao bem, é possível utilizar até 10% para lidar com despesas burocráticas, como idas ao cartório e transferência de propriedade, por exemplo. Mas, se o bem tiver um valor superior à carta, sem problemas: a administradora faz a liberação da carta de crédito, e você pode negociar como completar a transação com os seus próprios recursos diretamente com o proprietário. 

Agora que você já conhece como funciona o consórcio como um todo, vamos explicar as principais diferenças entre o consórcio de carro e de casa. 

Diferenciais do consórcio de carro 

Diferenciais do consórcio de imóveis 

  • Você pode utilizar a carta de crédito para a compra de um apartamento, terreno, casa ou até um empreendimento comercial. 

E aí, qual a sua escolha? Com o consórcio de automóveis, você pode comprar seu carro novo com economia e flexibilidade. E, com o consórcio de imóveis, o sonho da casa própria pode ser realizado, sem comprometer demais seus rendimentos mensais. Venha para a Embracon e invista desde já na realização de seus sonhos. 

chat Eva