Como funciona a oferta e o desempate do lance no consórcio

Como funciona a oferta e o desempate do lance no consórcio

Muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre como realmente funciona a aquisição do bem em um consórcio.

Por mais que a modalidade seja conhecida pela possibilidade de comprar casa, carro, moto e até adquirir diferentes serviços sem a necessidade de entrada e pagamento de juros, as principais dúvidas têm a ver com a forma de contemplação.

Isso porque, diferente do financiamento, que já entrega o bem na hora que a transação é aprovada, o consórcio funciona como um modelo de autofinanciamento, em que, aos poucos, você mesmo vai investindo no bem que deseja adquirir.

Em resumo, você tem duas possibilidades de ter acesso ao bem por meio do consórcio: aguardar os sorteios mensais, que são realizados mensalmente nas assembleias; e a partir da oferta de um lance, que representa um valor significativo que você pode ofertar em uma das assembleias.

Geralmente, quem oferta o maior valor de lance é contemplado na assembleia. Assim como acontece nos leilões, por exemplo, o lance é uma possibilidade de valor a mais pelo bem. Só que a vantagem é que ninguém sai perdendo: quem oferecer um valor maior, caso seja contemplado, terá o valor oferecido como referência para quitar as últimas mensalidades da dívida do consórcio.

Mas, como você pode perceber no decorrer do texto, existem diversas distinções e formas de fazer a oferta de um lance por um bem.

Antes de falarmos sobre todos os detalhes do lance, vamos explicar resumidamente como funciona o consórcio.

O que é e como funciona o consórcio

O consórcio é um tipo de investimento coletivo em um bem de alto valor. Você tem a possibilidade de selecionar que bem deseja comprar: carro, moto, imóvel ou até mesmo um serviço.

A partir do momento que você seleciona o bem, precisa selecionar a forma de pagamento. Tudo isso pode ser feito de forma simples e bem dinâmica por meio do simulador de consórcio. Para isso, basta entrar no site da administradora, inserir as informações pessoais básicas e selecionar o bem que deseja.

Depois, é preciso inserir o valor da carta de crédito, ou seja, o total que representa o bem que selecionou. Digamos que você queira comprar um apartamento que está avaliado em R$ 200 mil. Nesse caso, você pode selecionar este valor, ou até um pouco a mais, para pagar pelas documentações e burocracias, por exemplo.

A próxima etapa é selecionar a quantidade de parcelas que deseja pagar pelo bem. Por ser dinâmico, você pode selecionar o total de parcelas que desejar, dentro dos limites de cada um dos produtos do consórcio. Ao selecionar a quantidade de parcelas, o simulador mostra quanto realmente ficaria a mensalidade, já considerando a taxa de administração, que serve para remunerar a administradora pelos serviços relativos ao consórcio, e fundo de reserva, que garante a saúde financeira dos grupos.

Conseguiu identificar o valor que desejaria pagar pelo consórcio? A partir das informações básicas que você passou, um especialista de consórcio entra em contato para explicar tudo relacionado à categoria. É ele que fica responsável por tirar as dúvidas, encaminhar o contrato e enviar as informações para que a administradora ingresse em um grupo.

Grupos de consórcio

A partir do momento que você assina o contrato de consórcio, a administradora fica responsável por integrá-lo em um grupo. Esse grupo é composto por outros consorciados que têm interesses semelhantes ao seu, ou seja, na maioria das vezes estão investindo em cartas e bens parecidos com o que escolheu.

Nos grupos são realizados mensalmente os sorteios. Para participar, é preciso pagar corretamente as mensalidades nas datas. Afinal, o grupo conta com a colaboração de todos os consorciados, para que possa ter condições de financiar os bens de cada integrante e, assim, conseguir realizar a contemplação nas assembleias.

A seguir, vamos explicar em detalhes como funcionam os sorteios para, então, detalhar os lances.

Como funcionam os sorteios mensais

Cada grupo realiza uma vez por mês o sorteio mensal dos bens. Os sorteios são feitos a partir do número de cotas de cada participante, seguindo os números sorteados pela Loteria Federal.

Primeiramente, são feitos sorteios para clientes ativos, segundo, sorteio para clientes cancelados e, por último, as contemplações por lance. Nos três casos, no entanto, é considerado sempre o saldo dos grupos para as contemplações.

Os sorteios levam em conta a numeração da Loteria Federal e são realizados todas às quartas e sábados. Por isso, o resultado será considerado de acordo com o dia da assembleia de cada consorciado. Por exemplo: para as assembleias realizadas às segundas, terças e quartas, são utilizados os prêmios sorteados no sábado. Já para as assembleias realizadas às quintas e sextas, são utilizados os prêmios sorteados na quarta. Por isso, é muito importante que o consorciado esteja atento ao dia da assembleia.

O benefício dos sorteios é que cada participante pode participar em condições de igualdade com os demais, isto é, as chances são as mesmas para todos. O único requisito que é exigido para participar dos sorteios é que a pessoa esteja com os seus pagamentos em dia.

Agora que você ficou por dentro de como o consórcio opera para ter a carta contemplada por meio dos sorteios, vamos explicar o funcionamento dos lances.

Como funcionam os lances

Como já dissemos, o lance representa um valor significativo que você pode dar para o seu bem em uma assembleia.

O cálculo é feito pelo percentual que falta ser pago pelo bem. Por exemplo, se o lance representar um percentual expressivo, suas chances de ser contemplado por meio do lance aumentam.

Para dar um lance, é preciso entrar na sua Área de Clientes do site e registrar um valor simbólico que poderia pagar para ter acesso ao bem. Nesse momento, não é feita nenhuma transação, apenas o registro do valor.

Você pode fazer o cálculo de um lance a partir das mensalidades que faltam pagar, por exemplo.

Se o seu valor for o maior ofertado dentro daquele grupo, você é contemplado. Mas, se tiver registrado, e não for contemplado, fique tranquilo: o valor só é debitado a partir da confirmação feita pela administradora do consórcio.

Este valor abate as mensalidades restantes do consórcio, eliminando as últimas parcelas.

Um ponto importante: nenhuma administradora pode garantir que você seja contemplado pelo valor que irá oferecer para um lance. Isso depende do valor que será ofertado por outros integrantes, além de regras do próprio grupo, que podem restringir as opções de determinados tipos de lance (que detalhamos abaixo).

Pode acontecer de você ter um valor considerável para o lance, mas outro integrante conseguir um valor superior. Portanto, fique atento às nossas dicas para saber como proceder em cada oportunidade.

Quais são as formas de dar um lance?

A seguir, apresentamos as formas mais comuns de fazer oferta de um lance.

Dinheiro

Muitos consorciados decidem poupar dinheiro enquanto pagam as mensalidades do consórcio, justamente para ter a possibilidade de ofertar um lance e ser contemplado mais rapidamente.

Acompanhe as assembleias e confira o valor de lance ofertado pelos demais consorciados, para se ter uma ideia do quanto precisa acumular para antecipar a aquisição do seu bem.

Troca de um bem

Se você estiver investindo em uma carta de automóveis, por exemplo, pode usar o seu carro usado como oferta de lance. O mesmo acontece com consórcio de motos e imóveis.

Para isso, é preciso procurar a administradora e pedir que faça uma avaliação do seu bem. A empresa passa todas as diretrizes e faz uma avaliação independente do quanto pagaria por seu bem.

Se você concordar com o valor estipulado, pode usar o seu imóvel ou automóvel como oferta de lance. Se você for contemplado, a administradora passa as diretrizes de transferência de bens e você adquire a carta de crédito - que deve ser utilizada para a compra do bem que você selecionou.

Vale lembrar que a administradora faz uma cobrança sempre que você solicita uma avaliação do seu bem, que possui vencimento de 30 dias.

Uso do FGTS

No caso específico de consórcio de imóveis, você pode utilizar os recursos do FGTS (Fundo de Garantia de Tempo de Serviço).

Para isso, procure a Caixa, responsável por gerir o FGTS, e veja se está elegível para ter acesso ao fundo (lembrando que ele só pode ser utilizado para compra do primeiro imóvel).

Se a Caixa liberar, procure a administradora e registre o valor como oferta de lance. O valor só é debitado se você for contemplado.

Conheça os tipos de lance

Agora que você conhece um pouco mais sobre as possibilidades do lance, vamos explicar os detalhes de como funcionam os diferentes tipos de lance que podem ser ofertados, para que você possa se organizar e ser contemplado mais rapidamente.

Lance livre

É a modalidade mais comum e utilizada pelos consorciados. Você faz o registro do valor antes da assembleia; se o valor que você ofertar for o maior, você é contemplado.

Lance fixo

Nessa modalidade, o consorciado tem condições de prefixar um percentual para o valor do lance. Pode ser 25% ou 50% do total da carta de crédito, dependendo das regras do seu grupo de consorciados.

Lance embutido

Dentro da modalidade de lance fixo, você pode utilizar a própria carta de crédito como oferta de lance. Trata-se do lance embutido.

Se estiver investindo em uma carta de consórcio imobiliário de R$ 300 mil, por exemplo, pode descontar 25% desse montante para fazer a oferta de um lance. Ao ser contemplado dessa forma, você recebe uma carta de crédito de R$ 225 mil - e o valor de R$ 75 mil, utilizado como lance, ajuda a pagar as mensalidades restantes do consórcio.

Lance quitação

Como o próprio nome diz, você pode usar o lance como forma de quitar de vez as mensalidades restantes e já ter o bem em mãos.

A grande vantagem desse tipo de lance é que você já paga de uma vez o seu consórcio. Porém, é preciso observar as regras do grupo, para saber quando é válido aplicar esse tipo de lance.

Lance antecipação

Outra forma de investir no valor de lance é contar com a modalidade de antecipação. É como se você formasse uma pequena ‘poupança’ para, mais pra frente, fazer uma oferta melhor de lance e ter mais chances de contemplação.

Dicas para fazer a oferta de lances

São diversas formas de ofertar o lance para ter acesso antecipado ao bem que deseja.

Porém, para que você consiga se planejar, fique atento aos melhores momentos para ofertar o valor.

O ideal é ter um dinheiro guardado justamente para essa finalidade. Vá acompanhando as assembleias mensalmente e observe os valores que são contemplados. A partir daí, já dá pra ter uma ideia de uma média que é ofertada para ter acesso aos bens.

Pode acontecer de, enquanto estiver investindo no valor de lance, você ser sorteado em uma das assembleias. Esteja preparado para esses momentos. É preciso estar regularizado nos órgãos de proteção de crédito e com as mensalidades em dia, para evitar contratempos.

Caso isso aconteça, você pode usar o valor que guardou para antecipar as últimas parcelas do consórcio. Assim, você consegue se organizar para terminar de pagar por sua cota de forma antecipada. A vantagem é que, com isso, o bem fica alienado por menos tempo em nome da administradora.

E se o meu lance não for o vencedor?

Assim como você, muitas pessoas se interessam em adquirir o bem de forma antecipada. Por isso, a oferta dos lances costuma ser algo bastante concorrido entre os integrantes do grupo, principalmente nos primeiros meses.

Porém, se você tentar o lance, mas outro integrante vir com um valor superior, não fique decepcionado.

Nesse caso, o valor que você registrou na Área de Clientes não chega a ser debitado. A administradora só prossegue com o débito do valor na etapa seguinte, em que pede as garantias de pagamento e realiza uma nova análise de crédito.

Caso tenha optado por dar um veículo ou imóvel como lance, por exemplo, que conta com a avaliação da administradora, será preciso pagar um novo valor para a avaliação caso queira tentar nos meses seguintes. Avalie bem os valores ofertados e veja se faz sentido pagar por nova avaliação ou esperar mais um pouco para fazer a sua oferta.

Conheça os critérios de desempate dos lances

Em sua forma clássica, é contemplado por lance quem oferece o maior valor pelo bem em uma determinada assembleia.

Porém, como há diferentes tipos de lance, é preciso explicar como funciona o critério de desempate em cada um deles. Confira.

Desempate pelo lance livre

Por ser uma forma de lance em que o consorciado determina o valor que quer oferecer, dificilmente ocorre caso de empate. Porém, como a administradora utiliza critérios que analisam o percentual que falta pagar, com base nas mensalidades já pagas, é possível que aconteça empate de lances.

Caso aconteça empate, a administradora utiliza como critério o sorteio.

Desempate pelo lance fixo

No caso do lance fixo, é mais comum que o grupo estabeleça um critério de desempate com o mesmo sistema de sorteio. Como se trata de percentual oferecido para ser contemplado, muitas vezes diversos consorciados tentam a antecipação da carta de crédito dessa forma.

Desempate pelo lance embutido

Para que um grupo dê a possibilidade de ofertar lance embutido, é preciso que tenha caixa o suficiente para as demais contemplações. Isso porque, diferente de outras modalidades, o lance embutido utiliza o valor da própria carta de crédito para facilitar o lance.

Por conta disso, é comum que, nos primeiros meses, essa opção não esteja válida dentro de um grupo. Além disso, existem limites para que você possa oferecer a sua carta como opção de lance. Alguns grupos podem ter regras específicas quanto a isso, mas o limite máximo que a administradora permite como lance deve ser até 25% do valor do crédito (com acréscimo da taxa de administração e fundo de reserva).

Nesse caso, todos os interessados pelo lance embutido participam de um sorteio à parte.

Desempate pelo lance quitação e antecipação

Caso o seu grupo dê a possibilidade de quitar ou antecipar as parcelas, pode acontecer de nem precisar participar dos sorteios. Segue como critério de desempate o maior percentual de valor ofertado. Dependendo das regras do grupo, pode haver outras regras para o desempate desses tipos de lance.

O que acontece após a contemplação pelo lance

Recapitulando, o critério de desempate para o lance depende de qual modalidade você vai ofertar. Em algumas, a referência sobre o valor acaba se sobressaindo - enquanto que em outras, como lance fixo e lance embutido, existe um sorteio específico para a contemplação.

Porém, esses critérios são estabelecidos como forma de priorizar quem será ou não contemplado.

Afinal, para ter acesso à carta de crédito é preciso passar por uma nova análise feita pela administradora. Essa segunda etapa é necessária, porque a empresa de consórcio avalia se o contemplado realmente pode oferecer garantias de que continuará contribuindo com o consórcio nos meses subsequentes.

Assim que o consorciado é elegível para contemplação por meio do lance, passa por essa análise, em que se verifica se o valor das parcelas não ultrapassam 30% dos rendimentos mensais, se o consorciado está com a situação regularizada perante os órgãos de proteção ao crédito e, principalmente, se ele tem condições de continuar pagando as parcelas restantes.

Além disso, a administradora pede todas as principais documentações pessoais. Caso alguma documentação esteja inconsistente, a administradora dá um novo prazo para entrega. Caso a parcela ultrapasse os 30% dos rendimentos, a administradora pede que o consorciado indique um devedor solidário, ou seja, uma pessoa que irá compartilhar a responsabilidade da dívida. Esse devedor deve entregar as mesmas documentações pessoais e irá somar a renda dele a do consorciado como forma de comprovar que pode pagar pelas parcelas restantes.

Todas essas etapas são importantes de serem seguidas conforme a solicitação da administradora, para que o contemplado realmente consiga ter acesso à carta de crédito e, assim, possa desfrutar do bem.

Depois disso, a administradora faz a homologação dos documentos e segue com o processo de liberar a carta de crédito para a compra do bem.

Se você ainda tiver parcelas em aberto mesmo após a oferta do lance, o seu bem fica parcialmente alienado à administradora.

Funciona da seguinte maneira: digamos que você tenha sido contemplado com uma carta de automóveis. Enquanto estiver com saldo devedor, o carro que você comprar com o consórcio terá parte do seu nome junto à administradora. Isso significa que, caso queira vender o automóvel, por exemplo, precisará de autorização da empresa de consórcio.

Vale o mesmo para outras modalidades, como consórcio de moto e imóveis. (No caso de consórcio de serviços, você corre o risco de ficar com o nome sujo caso se torne inadimplente após a contemplação.)

O que fazer com a carta contemplada

Agora que você já passou pela etapa de análise de crédito, finalmente tem a possibilidade de usar a sua carta contemplada.

Nesse momento, você precisa indicar à administradora que bem deseja comprar com a sua carta. Caso tenha investido em um consórcio de imóveis, por exemplo, só pode usar a carta para compra de terreno, apartamento, imóvel na planta, empreendimento, enfim, produtos relacionados a imóveis. Não é possível utilizar a carta de imóveis, por exemplo, para adquirir algum serviço ou comprar um carro.

A partir do momento que você já tem identificado o proprietário ou empresa responsável pelo bem que você deseja adquirir, basta indicá-lo à administradora. É ela que faz o repasse direto da carta para o dono do bem. Vale lembrar que a carta de crédito possui poder de compra à vista, o que pode dar uma boa margem de negociação na hora da compra.

Agora que você já conhece as vantagens do lance e do uso da carta de crédito, já pode investir com segurança na realização do seu sonho com o consórcio.

Faça uma simulação e conte com uma modalidade que não exige entrada, não cobra juros e não tem nenhum tipo de burocracia.
Simulação Consórcio
chat Eva