Investimento na crise? O consórcio sempre é um bom negócio

Investimento na crise? O consórcio sempre é um bom negócio

Em tempos de pandemia, muitas pessoas têm freado o consumo por conta da incerteza. Isso mostra que diminuíram as compras por impulsão e, consequentemente, muitas delas devem pensar em planejar o futuro com mais cautela.

Exatamente por isso, o consórcio pode ser a melhor forma para comprar automóveis, imóveis e adquirir serviços. Sem a cobrança de juros ou entrada, o consórcio é a melhor opção para se investir a longo prazo em um bem que deseja.

Para se ter uma ideia, o segmento de consórcio manteve-se em alta no primeiro trimestre de 2020, mesmo com o abalo da pandemia. Dados da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcio (ABAC) mostram que as empresas de consórcio tiveram faturamento quase 10% superior ao mesmo período de 2019. Isso mostra que as pessoas estão considerando cada vez mais planejar a compra de bens como carros, imóveis e serviços.

Por que vale a pena investir em consórcio

Para ter acesso rápido a bens como automóveis e imóveis, muitas pessoas recorrem a instituições financeiras, que exigem um alto valor de entrada e dividem as mensalidades de forma inflexível.

Sem muitas alternativas, muitas pessoas acabam fechando contrato e chegam a pagar pelo dobro valor de um automóvel, por exemplo, devido aos altos índices de juros.

Quando se planeja uma compra de bens de alto valor, é preciso levar em consideração tanto o valor das parcelas quanto o total a prazo.

É exatamente por isso que o consórcio se apresenta como a melhor opção de compra de bens de alto valor. É você que define o valor da mensalidade, de acordo com seus rendimentos mensais, sem ter que pagar um alto valor de entrada, por exemplo.

A seguir, vamos explicar como funciona o consórcio.

Como funciona o consórcio

A primeira etapa para fazer investimento em consórcio é realizar a simulação. Digamos que você queira comprar um carro popular zero km, por exemplo, no valor de R$50 mil. Você insere este valor e o total de parcelas que desejaria dividir. Para automóveis, por exemplo, você pode selecionar entre 36 meses e 80 meses.

Após inserir os dados, o simulador de consórcio mostra quanto ficaria o valor das parcelas.

Diferente do financiamento, o consórcio não faz cobrança de juros e nem exige valor de entrada. Cobra somente valores de taxa de administração, para remunerar a empresa de consórcio, e fundos de reserva, para garantir que todos os consorciados serão contemplados.

Para a aprovação, é necessário que o valor da parcela não ultrapasse 30% dos seus rendimentos mensais. Essa é uma forma de garantir que os consorciados não se tornarão inadimplentes com as parcelas.

Após fechamento do contrato, o consorciado passa a fazer parte de um grupo e acompanha os sorteios mensais dos bens. Você pode ser contemplado do primeiro ao último mês - não existe uma regra específica para isso. Caso queira antecipar a compra do bem, pode fazer a oferta de um lance antes da realização dos sorteios. Caso seu valor seja o maior, você é contemplado e o valor remanescente das parcelas é abatido.

Como você pode perceber, o consórcio é a melhor forma de planejar a compra do seu próximo bem de alto valor.

Fonte: Blog Embracon

chat Eva