Financiamento ou consórcio: qual a melhor forma de adquirir um carro?

Financiamento ou consórcio: qual a melhor forma de adquirir um carro?

De um lado é possível fechar o contrato e ter a chave do carro, por outro, é possível planejamento e economia

O aumento da inflação estampado no noticiário e no cotidiano dos brasileiros é refletido em diversos segmentos. Dentre eles, o da indústria automotiva. O preço dos automóveis cresce acompanhando a inflação, calculada em 10,67% no acumulado do ano, além de também ser impactado pelo aumento de preço de outros produtos utilizados na matéria-prima, às vezes superior ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Diante deste cenário, financiamentos e consórcios podem ser alternativas possíveis, mas é preciso atenção na hora de escolher o formato da compra.

Planejamento, construção de uma reserva e pesquisa são os principais aliados  para quem deseja trocar ou adquirir um carro e começar 2022 com um veículo novo ou seminovo. Se por um lado pode-se fechar o contrato de financiamento com a chave do carro na mão, por outro, é possível preparação e planejamento para otimizar as despesas com o pagamento de uma taxa fixa para a administradora do consórcio, que deve ser registrada pelo Banco Central.

O levantamento do mês de outubro do Sistema Nacional de Gravames (SNG), mostra que o saldo da carteira de crédito para aquisição de veículos chegou ao total de R$ 321 bilhões em setembro, último mês disponível. O valor já é maior que todo o ano de 2020, quando marcou R$ 285 bilhões.

De acordo com relatório da B3, no acumulado do ano de 2021 até outubro, as vendas de veículos financiados somaram 4,9 milhões de unidades, entre novas e usadas. Esse número representa um crescimento de 12,8% em relação ao ano de 2020, quando registrou 559 mil.

Observando os indicadores de consórcios, de janeiro a setembro deste ano, houve mais de um milhão de contemplações, somando um total de R$ 47,3 bilhões, um aumento de 22,5% em relação ao mesmo período de 2020, de acordo com dados da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC).

Além do crescimento das contemplações, outro dado da mesma organização mostra a participação na capitalização. Ao todo, 32,8% das participações nas comercializações do mercado nacional são provenientes de consórcios, o equivalente a R$ 1,3 milhão.

Planejamento

Para Luís Toscano, vice-presidente de negócios da Embracon, consórcio é sinônimo de planejamento. Com o aumento das taxas de crédito no financiamento e da inflação afetando o preço dos carros, esse modelo de aquisição em grupo é uma saída para a economia do bolso, desde que a pessoa não tenha a pressa da compra.

“A principal diferença entre os dois modelos é vista na hora de quitar. Com taxas lineares e menores que financiamento, os consórcios conseguem oferecer crédito para quem tem mais dificuldade e, mesmo assim, deseja adquirir o automóvel ou montar uma reserva”, aponta.

Inclusão, acessibilidade financeira e flexibilidade são as três principais vantagens do consórcio, segundo Eduardo Rocha, CEO da fintech Klubi. Segundo ele, a digitalização de processos faz com que mais pessoas tenham acesso ao serviço.

Com mensalidades nas faixas de R$ 300 a R$ 1 mil, quem optar pelo consórcio não precisa dispor de valores de entrada, como é feito no financiamento, caso o crédito seja aprovado.

“Para quem quer o pode comprar o carro à vista ou financiado para sair com a chave na mão, é o mais adequado. Entretanto, para quem tem dificuldade de aprovação de crédito, o consórcio é uma alternativa que ajuda a contribuir com a educação financeira“, explica Rocha.

Aquisição

Segundo dados de empresas do setor, os grupos de consócios possuem prazo médio de 80 meses. Sendo que, no geral, no meio do período, todos os integrantes do grupo adquirem o automóvel, seja por sorteio ou por lance extra ofertado.

Bruno Martins, gerente de inovação da Multimarcas, ressalta que a perspectiva para o ano que vem é de que o número de capitalizações e de unidades continuem crescendo. “Existe uma mudança no perfil de compra do cliente que vem tendendo a comprar o consórcio por conta do reflexo do aumento da taxa Selic. O modelo de consórcio vai continuar porque o cliente percebe cada vez mais que é importante se planejar e ter um orçamento mais enxuto para alcançar as metas”, aponta.

Custos

Enquanto as operadoras de consórcio cobram taxas de administração, os financiamento são atrelados à tabela de juros disponibilizada pelo Banco Central. Segundo dados do BC, as taxas ao ano vão de 14,14% a 49,66%, do Banco da Amazônia e do SF3 Crédito Financiamento e Investimento, respectivamente.

O CEO da Klubi, aponta que a média da taxa para planos de 80 meses em consórcios vai ser de 16% a 26% no total, sendo aproximadamente de 0,2% a 0,32% ao mês.

Toscano, da Embracon, indica que no consórcio, a taxa é de 23% no período ou 0,23% mensal linear, diferente do financiamento que tem o regime de juros compostos.

Fonte: Estadão

chat Eva