Dicas para reativar o consórcio

12/9/2019
Consórcio

As pessoas podem desistir de pagar por um consórcio devido a uma série de motivos, como desemprego, queda nos rendimentos familiares, imprevistos ou simplesmente porque não têm mais interesse no bem que começaram a pagar no consórcio.

Ao conversar com ex-clientes que querem reativar a cota de consórcio, tente entender a situação, para que você possa orientá-lo de forma que ele não desista mais de investir no bem que tanto deseja.

Independente do motivo que levou o cliente ao cancelamento da cota, é importante ajudá-lo a entender o que ele realmente quer, para que não repita uma experiência frustrante.

Em busca de prezar o bom relacionamento com os consumidores, a Embracon facilita a reativação da cota. A seguir, explicamos como isso funciona.

Como a administradora avalia a reativação

A desativação de uma cota só pode ser feita se o consorciado estiver com as mensalidades em dia.

Mesmo assim, a administradora precisa fazer algumas avaliações antes de efetivar a reativação da cota.

Antes de tudo, é verificado o andamento do grupo pelo qual o consorciado pertencia. Se ele estiver ativo, a Embracon analisa se ainda há vaga para que o antigo cliente entre novamente e continue investindo de onde havia parado.

Porém, se o grupo estiver cheio ou inativo, a administradora verifica a existência de outro grupo de pessoas que estejam investindo em um bem semelhante ao cliente. Caso ela encontre, pode fazer essa transferência e orientar para que ele volte a pagar normalmente as mensalidades.

Nesse processo, a administradora observa as exigências do novo grupo. Em alguns casos, ela sugere alteração na carta de crédito, para que a cota do consumidor se encaixe nos parâmetros dos demais integrantes.

Antes de prosseguir com a reativação, porém, certifique-se de que ele pode honrar com o compromisso de pagar as mensalidades. Essa checagem evita que o cliente cancele novamente a cota.

Cada vez que isso acontece, a administradora precisa reajustar o grupo, para evitar que a saída prejudique os demais. Afinal, quando um membro sai ou deixa de pagar, acaba comprometendo os que pagam as mensalidades corretamente.

Como ajudar o cliente na reativação

Muitas vezes o consumidor nem sabe que pode reativar uma cota que começou a pagar.

Caso o possível cliente tenha um histórico com a Embracon, pergunte sobre os motivos que levaram à desistência. Em alguns casos, ele tem a possibilidade de reativar a cota e ajustar os valores da carta de crédito de acordo com os novos objetivos.

Ajude o consumidor a traçar um objetivo mais fácil de ser atingido. Oriente a escolher o valor de uma mensalidade que não coloque em risco o planejamento financeiro. A Embracon recomenda que a mensalidade não ultrapasse 30% do total que ele ganha por mês.

Com a sua ajuda e disposição, ele pode voltar a investir em um bem e iniciar uma experiência mais amigável com a Embracon. Assim, todos só têm a ganhar!

Posts Relacionados