O que pode dar errado na compra do primeiro carro? Fique atento!

O que pode dar errado na compra do primeiro carro? Fique atento!

Comprar o primeiro carro é sempre um processo muito burocrático, desde a escolha do modelo ideal até o recebimento. Para isso, o consumidor deve ter paciência e atenção para não se arrepender e acabar sofrendo prejuízos. Antes de comprar um carro, é preciso analisar muitos pontos até determinar a melhor opção. 

É importante lembrar que a compra por impulso é sempre um grande risco, principalmente quando se trata de itens de alto valor, como carros. Na hora de comprar o primeiro carro, você tem que ficar longe da empolgação, ou pode ter sérios problemas, e quando o vendedor perceber, pode ser pior porque você terá a oportunidade de gastar com coisas desnecessárias. 

Antes de escolher um carro, faça uma boa pesquisa e tire todas as dúvidas, veja comparação, preço, número de série, índice de depreciação, manutenção, olhe o motor e verifique se a embreagem está muito pesada. Ela (embreagem) costuma durar 70/80 mil quilômetros em média. Se você tiver problemas, precisará gastar entre 700 e 1.000 reais ou mais, dependendo do veículo

A condição de cada carro também precisa de atenção, embora não seja comum para muitas pessoas. Analisá-los pode determinar se ocorreu uma colisão ou capotamento. Todos os carros saem de fábrica com o número do chassi nos vidros, caso o veículo (nos vidros) não tenha essa identificação, verifique se já aconteceu alguma coisa antes. 

Reunimos alguns erros (para carros usados ​​e 0km) que você não deve cometer ao decidir qual o primeiro carro comprar: 

Erros na hora de comprar o primeiro carro 

1) Comprar na ansiedade 

É um vilão que aparece em vários momentos durante a compra, causando diversos prejuízos. Muitos revendedores sabem disso e aproveitam para criar uma “promoção”. Como consumidor, você deve ficar atento e avaliar o contrato, a condição e o valor do primeiro carro. O mesmo vale para os modelos usados, que devem receber atenção redobrada. 

Não feche negócio sem antes analisar os itens padrão e opcionais oferecidos. Verifique se os itens opcionais são necessários naquele momento. Quando tiver certeza de tudo, feche o acordo. 

2) Não pensar no tipo de carro que você precisa 

Qual é a real necessidade? Pense nisso ao escolher um modelo. Você precisa de um carro mais focado em casa, no trabalho ou em ambos? Encontre o primeiro carro ideal que atenda às suas necessidades e anote em um pedaço de papel quanto você pode incorrer ao longo do tempo. 

Tipo de carroceria que vai te ajudar nesse processo de seleção: hatchback, sedã, fastback, station wagon, carro esportivo, cupê, SUV, minivan, picape. 

3) Não realizar o Test-Drive 

Normalmente realizado em um carro usado, um test drive de 0 km também é muito importante, para depois martelar a decisão. Ao realizar essa avaliação, você poderá tirar conclusões que o ajudarão a concluir sua compra. 

Apesar de ter recebido sinais positivos, alguns pontos precisam ser verificados, como: espaço interno, dirigibilidade, dá para ver se os freios respondem bem... parece bobo, mas é muito importante. 

Por isso, tenha em mente que um test drive é essencial, seja para uso ou 0km

4) Comprar itens opcionais desnecessários 

Às vezes, com tantos itens, a pessoa acaba se perdendo sem avaliar se vale a pena, incorrendo em gastos desnecessários. Analise se você vai usar todos eles e se é necessário. 

Em alguns modelos, a opção de possuir pode estar disponível na revenda, mas não é o caso de nenhum item. Airbags (airbags duplos, airbags laterais e cortinas), alerta de mudança de faixa, botão de partida do motor (start e stop), teto solar e central multimídia com navegação são alguns dos "queridinhos" de outros/novos proprietários, se utilizados. 

5) Apenas se preocupar com as parcelas 

Podemos analisar que a maioria das nossas dicas giram em torno da compra por excitação/impulso. As questões financeiras também entraram lá, e sabemos que não é apenas nos carros

O primeiro passo é olhar o preço total do veículo, muitas pessoas não prestam atenção e só verificam a mensalidade. Lembre-se, primeiro você precisa ter um plano que não afete sua renda. Alguns especialistas da área recomendam não mais que 30% de dívida mensal. Então, com isso em mente, se você precisar economizar mais dinheiro, melhor ainda. 

Também é importante não esquecer de impostos como juros e IPVA

6) Colocar acessórios paralelos que anulam a garantia 

Você já deve ter ouvido o velho ditado "o barato sai caro", certo? Isso acontece quando você não consegue retirar o acessório do revendedor. Fazer isso é muito arriscado e pode até anular toda a garantia de fábrica. 

Portanto, na dúvida, opte por acessórios genuínos adquiridos diretamente do fabricante. É caro mas vale a pena. Recolher dinheiro e adicioná-lo pouco a pouco. 

7) Comprar um carro usado “maquiado” 

Esse é outro problema, e sério, então preste atenção em cada detalhe na hora de comprar o primeiro carro usado. Já dissemos acima que um test drive é essencial.  

Aqui estão algumas dicas para evitar que você caia na armadilha: Avalie o teto do veículo, portas, laterais, etc. para qualquer assimetria. Participe de uma inspeção técnica e não compre sem o manual de instruções, para confirmar se o hodômetro foi adulterado. 

8) Não fazer seguro 

Ninguém compra um carro pensando em batidas, roubos, furtos, etc. Mas você tem que lembrar que isso pode acontecer com qualquer um. Diante dessas questões, é muito importante adquirir um seguro

O próprio revendedor forneceu uma lista com instruções no momento da compra. No entanto, se você tiver um corretor confiável, vale a pena consultá-lo primeiro para encontrar a melhor opção na oferta. 

Aproveite para testar uma nova modalidade. Já pensou em comprar seu primeiro carro com consórcio? Acesse nosso site e confira as melhores opções para você! 

chat Eva